Mostrando postagens com marcador Felinos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Felinos. Mostrar todas as postagens

Leão (Panthera leo)

Leão (Panthera leo)

Leão (Panthera leo)
O Leão (Panthera leo) é um dos quatro grandes felinos do gênero Panthera. Com alguns machos superando 250 kg de peso, é o segundo maior felino depois do tigre. Leões selvagens ocorrem atualmente na África Subsaariana e na Ásia, com uma população remanescente em perigo no Parque Nacional da Floresta de Gir, na Índia, tendo desaparecido do norte da África e Sudoeste da Ásia em tempos históricos. O leão é uma espécie vulnerável, devido ao declínio da população, possivelmente irreversível, de 3-50% nas duas últimas décadas na África. As populações de leões não estão protegidas fora das reservas e parques nacionais. Atualmente, a perda de habitat e conflitos com os seres humanos são as maiores ameaças para este felino.

Leões vivem de 10-14 anos na natureza, e em cativeiro podem viver mais de 20 anos. Na natureza, os machos raramente vivem mais do que 10 anos, pois ferimentos causados pela contínua luta com machos rivais reduzem significativamente sua longevidade. Habitam planícies e savanas, embora sejam encontrados em regiões de arbustos e florestas. Os leões são excepcionalmente sociais em comparação com outros felinos. Um grupo de leões é composto por fêmeas e filhotes descendentes, e um pequeno número de machos adultos. Grupos de fêmeas geralmente caçam juntas, capturando principalmente ungulados de grande porte. Apesar de leões geralmente não caçarem humanos, alguns casos já foram relatados.

Os leões são os únicos membros da família dos felinos que apresentam dimorfismo sexual, isto é, machos e fêmeas são distintamente diferentes - os machos têm juba.

O peso de leões adultos varia entre 150-250 kg para os machos e 120-182 kg para as fêmeas. Os machos medem (cabeça-corpo) 170-250 cm de comprimento e as fêmeas 140-175 cm. O comprimento da cauda é 90-105 cm nos machos e 7-10 cm nas fêmeas.

A característica mais distintiva compartilhada por machos e fêmeas é que a cauda termina num tufo peludo. É o único felino que tem esse tufo de pelos na extremidade da cauda.

Caça e dieta
Os leões são animais poderosos que normalmente caçam em grupos coordenados, o que aumenta a probabilidade de uma caça bem sucedida. As presas geralmente são grandes mamíferos, com uma preferência por gnus, impalas, zebras, búfalos e javalis na África, e nilgai, javalis e várias espécies de veados na Índia. Muitas outras espécies são caçadas, com base na disponibilidade. Incluirá principalmente ungulados com peso entre 50 e 300 kg como kudu, bubalú (uma espécie de antílope africano), óryx e eland.

Reprodução
O período médio de gestação é de 110 dias. A fêmea dá à luz uma ninhada de 1-4 filhotes que pesam 1,2-2,1 kg. Cerca de 80% dos filhotes morrem antes dos 2 anos de idade. Leões machos atingem a maturidade em cerca de 3 anos de idade e as fêmeas aos 4-5 anos de idade.

Leão (Panthera leo)
Leão (Panthera leo)
Leão (Panthera leo)

Distribuição e habitat
Na África, os leões podem ser encontrados em savanas com árvores de Acácia espalhadas que servem de sombra. Na Índia, seu habitat é uma mistura de floresta seca de savana e floresta decídua muito seca.

A maioria dos leões vivem atualmente no leste e sul da África, e seus números estão diminuindo rapidamente, com uma queda estimada de 30-50% ao longo das duas últimas décadas. Estimativas da  população de leão-africano varia entre 16.500 e 47.000 indivíduos vivendo na natureza em 2002-2004. As principais causas do declínio incluem doenças e a interferência humana. A perda de habitat e os conflitos com os seres humanos são considerados as ameaças mais significativas para a espécie. As populações remanescentes estão muitas vezes isoladas geograficamente umas das outras, o que pode levar a endogamia e, conseqüentemente, redução da diversidade genética.

Leão (Panthera leo)O leão-asiático, atualmente sobrevive apenas em torno da floresta de Gir no noroeste da Índia. Cerca de 300 leões vivem em um santuário de 1.412 km² no estado de Gujarat, que cobre a maior parte da floresta.

Subespécies
Atualmente 8 subespécies são reconhecidas:

    Panthera leo persica (leão-asiático) - floresta de Gir, na Índia.
    Panthera leo azandica (leão-do-nordeste-do-congo) - nordeste do Congo.
    Panthera leo senegalensis (leão-do-oeste-africano) - oeste da África, do Senegal à Nigéria.
    Panthera leo nubica (leão-do-leste-africano ou leão-masai) - leste da África, da Etiópia e Quênia à Tanzânia e Moçambique.
  Panthera leo bleyenberghi (leão-do-sudoeste-africano ou leão-katanga) - sudoeste da África, Namíbia, Botswana, Angola, Katanga (Zaire), Zâmbia e Zimbabwe.
    Panthera leo krugeri (leão-do-sudeste-africano ou leão-transvaal) - região de Transvaal no sudeste da África, incluindo o Parque Nacional Kruger.
    Panthera leo melanochaita (leão-do-cabo) - extinto da natureza por volta de 1860.
    Panthera leo leo (leão-da-barbária) - extinto da natureza - era encontrado de Marrocos ao Egito.

www.megatimes.com.br
www.geografiatotal.com.br

Tigre-Branco | Características dos Tigres-Brancos

Tigre-Branco | Características dos Tigres-Brancos

Tigre-Branco | Características dos Tigres-BrancosOs tigres-brancos tendem a ser maiores que os tigres de cor laranja.

Os tigres-brancos não são albinos e não são considerados uma subespécie de tigre, mas sim uma variante mutante das subespécies existentes de tigres, cuja pele é branca ou quase branca. Eles têm olhos azuis e focinho rosa.

Comparação de Cor
Em comparação com os tigres laranja sem o gene branco, tigres-brancos tendem a ser maiores, quando nascem e tambem quando adultos. Apesar de sua coloração incomum, seu tamanho pode ser vantajoso na natureza. Tigres-brancos heterozigotos também tendem a ser maiores do que os tigres laranja.

Indivíduos brancos com listras escuras são bem documentados na subespécie Panthera tigris tigris, conhecida como tigre-de-bengala ou tigre-indiano, e deve ter ocorrido também em tigres-siberianos (Panthera tigris altaica) cativos, e relatado historicamente em outras subespécies. A pelagem branca está intimamente associada com o tigre-de-bengala.

A atual população de tigres-brancos inclui tanto o tigre-de-bengala puro quanto os híbridos de bengala-siberiano. No entanto, não está claro se o gene recessivo branco só veio a partir de Bengala, ou se ele também se originou a partir de ancestrais da Sibéria.

A coloração incomum dos tigres-brancos os tornoram populares em jardins zoológicos e em shows que apresentam animais exóticos.

Os mágicos Siegfried (alemão) e Roy (americano) ficaram famosos por terem criado e treinado dois tigres-brancos para suas apresentações, referindo-se a eles como "tigres-brancos reais", associando o tigre-branco com o Marajá de Rewa.

Tigre Siberiano Branco
É possível que o gene da pele branca não exista na população de tigres-siberianos, uma vez que tigres-siberianos brancos não puros nasceram em cativeiro, mesmo que o tigre-siberiano tenha sido extensivamente criado durante as últimas décadas. A população de tigres selvagens da Sibéria quase foi extinta durante o meio do século 20. Por isso, é possível também que os tigres-siberianos portadores do gene da pele branca morreram durante este período. Mais pesquisas são necessárias antes que os cientistas possam entender completamente a composição genética do tigre-siberiano.

Os famosos tigres-siberianos brancos encontrados em cativeiro não são realmente tigres-siberianos puros. Eles são o resultado do cruzamento de tigres-siberianos com tigres-de-bengala. O gene da pele branca é muito comum entre os tigres-de-bengala, mas o nascimento natural de um tigre-branco de Bengala ainda é muito raro na natureza, onde os tigres-brancos não são criados de forma seletiva. Um tigre-branco é gerado pela ocorrência de um alelo recessivo duplo no genoma. Estimativas mostram que cerca de um em cada 10.000 nascimentos de tigres selvagens irá resultar em um tigre-branco.

Mitos sobre o tigre-branco 
Um mito comum sobre o tigre-branco é que eles são da Sibéria e que a cor da sua pele serve como camuflagem na neve. Isso não é verdade.

A verdade é que os tigres-brancos vêm da Índia e dos cerca de quarenta tigres-brancos puros em cativeiro, a maioria permanece nesse país.

O tigre-branco não é uma subespécie separada; talvez seria mais correto chamar de uma coloração anormal. Como eles não são uma espécie de tigre separada eles também não são uma "espécie ameaçada".

Talvez o mito mais comum é que os tigres-brancos são albinos. Mas sem pigmento eles também não teriam listras, narizes coloridos e lábios manchados. Sua pele seria totalmente branca e sem listras.
Um fato pouco conhecido é que os tigres-brancos nem sempre têm olhos azuis gelo; eles podem ser verdes ou âmbar (laranja-amarelo). Novamente, isso requer pigmento nos olhos que um albino não teria.

No reino de Assam existia a crença de que alguém que avistasse um tigre-branco iria morrer em breve. É um mito que permanece até hoje.

www.megatimes.com.br

Jaguatirica (Leopardus pardalis)

Jaguatirica (Leopardus pardalis)

Jaguatirica (Leopardus pardalis)A Jaguatirica (Leopardus pardalis) é um felino selvagem encontrado na América Central, América do Sul e México, mas já foi relatada no Texas e em Trinidade, no Caribe. No norte do México, é encontrada regularmente apenas no extremo sul do Texas, embora existam raras aparições no sul do Arizona.

É semelhante em aparência a um gato-doméstico. Sua pele assemelha-se a de um leopardo-nebuloso ou onça-pintada e já foi considerada valiosa. Como resultado, centenas de milhares de jaguatiricas foram mortas por suas peles. O felino foi classificado como uma espécie ameaçada "vulnerável", de 1972 até 1996, mas agora é classificado como "pouco preocupante" pela Lista Vermelha da IUCN de 2008.

A jaguatirica varia de 68-100 cm de comprimento, mais 26-45 cm de cauda, e geralmente pesa 8-18 kg, embora indivíduos muito maiores foram ocasionalmente registrados, tornando o maior felino selvagem do gênero Leopardus. Tem pele lisa, macia, orelhas arredondadas e patas dianteiras relativamente grandes. Embora semelhante em aparência ao gato-do-mato-pequeno e ao gato-maracajá, que habitam a mesma região, a jaguatirica é maior.

Comportamento
A jaguatirica é principalmente noturna e muito territorial. Luta ferozmente, às vezes até a morte, em disputas territoriais. Além disso, marca seu território com urina. Como a maioria dos felinos, é solitária, normalmente se encontram apenas na época de acasalamento. No entanto, durante o dia descansa em árvores ou vegetação mais densa, e, ocasionalmente, compartilha o seu lugar com outra jaguatirica do mesmo sexo. Os machos ocupam territórios de 3,5-46 km2, enquanto as fêmeas ocupam uma área menor, sem sobrepor territórios de 0,8-15 km2. Os territórios são marcados pela  pulverização de urina e deixando fezes em locais eminentes.

Jaguatiricas caçam em uma área de 18 km2, capturando principalmente pequenos mamíferos (vários roedores), répteis e anfíbios (lagartos, tartarugas e rãs), caranguejos, pássaros e peixes.

Reprodução
As Jaguatiricas geralmente se reproduzem apenas uma vez a cada 2 anos, embora a fêmea possa se acasalar novamente logo depois de perder uma ninhada. O acasalamento pode ocorrer em qualquer época do ano. A gestação dura 79-82 dias, e geralmente nasce apenas um filhote. Ninhadas de 2 ou 3 filhotes também pode ocorrer, mas são menos comuns. O tamanho pequeno das ninhadas e a pouca frequência de reprodução fazem as jaguatiricas particularmente vulneráveis à perda de população.

Comparado com outros pequenos felinos, os filhotes de jaguatirica crescem muito lentamente. Eles pesam cerca de 250 g quando nascem e permanecem com a mãe por até 2 anos. As jaguatiricas  podem viver até 20 anos em cativeiro.

Distribuição e habitat
A jaguatirica está distribuída ao longo da América Central, América do Sul e México. Só habitam áreas com vegetação relativamente densa, embora possam ocasionalmente caçar em áreas mais abertas à noite. São encontradas em florestas tropicais, manguezais e cerrados, em altitudes que vão até 1.200 m.

Subespécies
Atualmente são reconhecidas as seguintes subespécies de jaguatirica:

    Leopardus pardalis pardalis - Floresta Amazônica
    Leopardus pardalis aequatorialis - norte dos Andes e da América Central
    Leopardus pardalis albescens - leste do México, sul do Texas
    Leopardus pardalis melanurus - Venezuela, Guiana, Trinidade
    Leopardus pardalis mitis - Argentina, Paraguai
    Leopardus pardalis nelsoni - sudoeste do México
    Leopardus pardalis pseudopardalis - Colômbia
    Leopardus pardalis puseaus - Equador
    Leopardus pardalis sonoriensis - noroeste do México, sul do Arizona
    Leopardus pardalis steinbachi - Bolívia

www.megatimes.com.br

Gato-Leopardo (Prionailurus bengalensis)

Gato-Leopardo (Prionailurus bengalensis)

Gato-Leopardo (Prionailurus bengalensis)O Gato-Leopardo (Prionailurus bengalensis) é um pequeno felino selvagem do sul e sudeste da Ásia, onde está amplamente distribuído, mas ameaçado pela perda de habitat e pela caça em algumas regiões. As subespécies de gato-leopardo se diferem muito na aparência.

O nome do gato-leopardo é derivado das pintas semelhantes as do leopardo, que prevalecem em todas as subespécies, mas sua relação com o leopardo é distante.

Na média, o gato-leopardo é do tamanho de um gato-doméstico, mas há variações regionais consideráveis: na Indonésia, o tamanho médio é de 45 cm, com uma cauda de 20 cm, enquanto a média no sul de Amur é de 60 cm de corpo e 40 cm de cauda. O peso varia entre 4,5 kg e 6,8 kg, valores similares aos do gato-doméstico. A cor do pelo também varia: é amarela nas populações mais ao sul, e cinza ou prateada nas populações do norte. O peito e a parte inferior da cabeça são brancos. A pelagem do gato-leopardo é pintada de preto, seja com manchas pontuais ou listras, dependendo da subespécie. Suas ninhadas têm de 2-4 filhotes, e o período de gestação pode variar entre 60-70 dias.

Distribuição e habitat
O gato-leopardo é o mais amplamente distribuído dentre os pequenos felinos Asiáticos. Pode ser encontrado em florestas através da Indonésia, Filipinas, Bornéu, Malásia, Tailândia, Miamar, Laos, Camboja, China e Taiwan. O felino também pode ser encontrado na Coréia, Índia e Paquistão. Seus habitats são variados, e incluem florestas tropicais, matagais, florestas de coníferas, bosques reflorestados, regiões semiáridas e áreas de agricultura, especialmente próximas de fontes de água; também pode ser encontrado em altitudes de até 3.000 m.

Comportamento
O gato-leopardo é um hábil escalador de árvores. Também consegue nadar, mas raramente o faz. É um animal de hábitos noturnos, e passa os dias em tocas, que podem ser árvores ocas, cavidades sobre raízes ou cavernas. Ele pode passar algum tempo fora das tocas em áreas onde não há humanos. O gato-leopardo é solitário, exceto durante o período de acasalamento. O território dos machos tem  em média 3,5 km2 e o das fêmeas em média 2,1 km2.

Dieta
Gatos-leopardo são carnívoros, alimentando-se de uma variedade de pequenas presas, incluindo mamíferos, lagartos, anfíbios, aves e insetos. Pequenos roedores, como ratos e camundongos formam a maior parte de sua dieta, que muitas vezes é complementada com grama, ovos, aves e presas aquáticas.

Reprodução e desenvolvimento
Não há nenhum período fixo de acasalamento na parte sul de sua área de distribuição; nos habitats mais frios, a norte, tende a se acasalar entre março ou abril, quando o clima é ameno o suficiente para que filhotes recém-nascidos o suportem.

Depois de um período de gestação de 60-70 dias, nascem de 2-4 filhotes. Os filhotes pesam cerca de 75-130 g quando nascem e, geralmente, dobram seu peso em 2 semanas. Começam a comer alimentos sólidos em 23 dias. Com 4 semanas, os caninos permanentes aparecem, e os filhotes começam a comer alimentos sólidos. A maturidade sexual é alcançada aos 18 meses, mas, em cativeiro, o macho pode se tornar pronto para reprodução em 7 meses, e a fêmea em 10. Podem viver até 13 anos em cativeiro.

Subespécies
    Prionailurus bengalensis alleni - Ilha de Hainan (China)
    Prionailurus bengalensis bengalensis - Índia, Bangladesh, Sudeste Asiático, Yunnan
    Prionailurus bengalensis borneoensis - Bornéu
    Prionailurus bengalensis chinensis - China, Taiwan, Filipinas
    Prionailurus bengalensis euptailurus -  Sibéria oriental, Mongólia, Manchúria
    Prionailurus bengalensis heaneyi - Palawan, Filipinas
    Prionailurus bengalensis horsfieldi - Himalaia
    Prionailurus bengalensis javanensis - Java
    Prionailurus bengalensis rabori - Ilhas Filipinas de Negros, Cebu e Panay
    Prionailurus bengalensis sumatranus - Sumatra
    Prionailurus bengalensis trevelyani - Paquistão oriental

O gato-de-tsushima vive exclusivamente no arquipélago de Tsushima, no Estreito da Coréia. Uma população do gato-de-tsushima, frágil, foi estimada entre 70 e 90 espécimes em 1997. Este felino foi inicialmente considerado uma espécie separada e, posteriormente, uma subespécie do gato-leopardo; agora, é considerada uma variedade da subespécie manchuriana, Prionailurus bengalensis euptailurus.

www.megatimes.com.br

Gato-do-Mato-Grande (Leopardus geoffroyi)

Gato-do-Mato-Grande (Leopardus geoffroyi

Gato-do-Mato-Grande (Leopardus geoffroyi) O Gato-do-Mato-Grande (Leopardus geoffroyi) é um felino selvagem das regiões sul e central da América do Sul. É mais ou menos do tamanho de um gato doméstico. Embora a espécie seja relativamente comum em muitas áreas, é considerada "quase ameaçada" pela IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza) devido à preocupação com as mudanças de uso da terra nas regiões onde ele vive.

Os gatos-do-mato-grande são aproximadamente do tamanho de um gato doméstico, com média de 60 cm de comprimento e uma cauda relativamente curta, de 31 cm. Eles pesam cerca de 2-5 kg, embora indivíduos de até 7,8 kg já foram relatados. Em geral, os exemplares encontrados na região sul de sua escala de distribuição são maiores do que os da região norte, e os machos são maiores que as fêmeas.

Sua pele tem inúmeras manchas pretas, mas a cor de fundo varia de região para região: no norte, uma pele marrom-amarelo é mais comum; mais ao sul, a pelagem é acinzentada. Como na maioria dos felinos, os pelos do ventre são mais claros, sendo de cor creme ou mesmo branca. Há faixas escuras na cauda e membros, e marcações semelhantes nas bochechas e na parte superior da cabeça e pescoço. A parte atrás das orelhas é preta, com uma mancha branca. O melanismo é comum tanto na natureza quanto em cativeiro.

Ecologia e distribuição
Gatos-do-mato-grande habitam os Andes, Pampas e a região de Chaco. Eles são encontrados do sul da Bolívia ao Estreito de Magalhães, em altitudes que variam do nível do mar até 3.300 m. Eles preferem ambientes abertos da floresta ou cerrado, mas também são encontrados em pastagens e áreas pantanosas. Embora sejam capazes de subir em árvores, raramente o fazem, a não ser para deixar fezes para marcar seu território com o cheiro.

Apesar de parecer abundante na região central, incluindo a Bolívia, onde é o segundo felino mais comum depois da jaguatirica, é considerado ameaçado em regiões como o sul do Chile.

O gato-do-mato-grande é noturno, e caça principalmente roedores, lebres, pequenos lagartos, insetos e ocasionalmente sapos e peixes; ele está no topo da cadeia alimentar. Como outros pequenos felinos, é um caçador solitário, dificilmente tem contato com outros de sua espécie, apenas durante a época de acasalamento. As fêmeas têm territórios que variam de 2-6 km2, enquanto os machos têm territórios maiores, chegando até 12 km2.

Reprodução
A época de reprodução do gato-do-mato-grande vai de outubro a março. As ninhadas podem consistir de um a quatro filhotes, embora um ou dois sejam mais comuns. A gestação dura de 72-78 dias, e a maioria dos nascimentos ocorrem entre dezembro e maio.

Os filhotes nascem cegos e indefesos, pesando cerca de 65 a 95 g, e se desenvolvem um pouco mais lentamente do que o gato doméstico. Abrem os olhos depois de 8-19 dias, e eles começam a comer alimentos sólidos depois de seis ou sete semanas. Os filhotes tornam-se independentes de sua mãe em torno de oito meses, mas geralmente não são sexualmente maduros até 18 meses para fêmeas e 24 meses para os machos. O período de vida de uma gato-do-mato-grande pode chegar a 14 anos em cativeiro.

Subespécies
    Leopardus geoffroyi geoffroyi - Argentina Central
    Leopardus geoffroyi euxantha - Norte da Argentina, oeste da Bolívia
    Leopardus geoffroyi leucobapta - Patagônia
    Leopardus geoffroyi paraguae - Paraguai, sudeste do Brasil, Uruguai, Norte da Argentina
    Leopardus geoffroyi salinarum - Noroeste e Centro da Argentina

www.megatimes.com.br

Gato-da-Areia (Felis margarita)

Gato-da-Areia (Felis margarita)

Gato-da-Areia (Felis margarita)O Gato-da-Areia (Felis margarita), também conhecido como "gato-das-dunas-de-areia" é um pequeno felino distribuído pelos desertos da África e Ásia. (O nome "gato-do-deserto" é reservado para o Felis Silvestris lybica, o gato-selvagem da África). O gato-da-areia vive em regiões áridas que são muito quentes e secas, as mesmas dos gatos-selvagens da África: o Saara, o deserto da Arábia, e os desertos do Irã e Paquistão.

Victor Loche foi o primeiro europeu a descrever o gato-da-areia para a ciência (em 1858). Ele batizou a espécie Felis margarita depois de Jean Auguste Margueritte, o líder da expedição, durante a qual ele havia encontrado o animal.

O gato-da-areia é relativamente pequeno, encorpado com pernas curtas, uma cauda longa, e grandes orelhas pontiagudas. Eles variam de 39-57 cm de comprimento, mais 23-31 cm de cauda, e pesam de 1,4-3,4 kg.

A cabeça é larga, algo que o torna inconfundível em relação a outras espécies similares, e as orelhas também possuem dimensões maiores. Isto melhora a sua audição e a perda de excesso de calor através delas (uma técnica comum entre os pequenos mamíferos desérticos como a lebre-da-califórnia e as raposas-do-deserto). A pelagem é cor de areia, com poucas listras mais escuras, que se encontram mais desenvolvidas na subespécie africana, F. m. margarita, e só são facilmente visíveis na parte alta das patas dianteiras. A ponta da cauda também possui coloração escura. Ao contrario de outros felinos, a planta dos pés está totalmente coberta de pelos a fim de as proteger em relação ao contato com as ardentes areias do deserto.

Habitat
Como seu nome sugere, esses felinos vivem apenas em áreas secas e arenosas de desertos. Eles preferem terreno plano ou ondulado com vegetação esparsa, evitando dunas de areia sem vegetação, onde há pouco alimento. Eles podem sobreviver em temperaturas que variam de -5°C a 52°C, abrigando-se em tocas durante condições extremas. Embora eles bebam água quando há disponibilidade, eles são capazes de sobreviver por meses sem beber, obtendo água apenas dos seus alimentos.

Comportamento
Os gatos-da-areia são solitários fora da época de acasalamento. Eles habitam tocas, geralmente usam tocas abandonadas de raposas ou porco-espinho. Costumam sair ao anoitecer para caçar roedores, lagartos, pássaros e insetos, apesar de sua dieta consistir principalmente de roedores.

Os gatos-da-areia se juntam apenas para o acasalamento, então contá-los é uma tarefa difícil. Porém, sua população vem diminuindo no deserto da Arábia após uma diminuição de suas presas. Observações feitas constam que eles percorrem cerca de 5-10 km por noite em busca de presas, mas, diferentemente da maioria dos outros felinos, não defendem seus territórios, e podem até "se revezar" através das tocas.

As ameaças ao gato-da-areia incluem os seres humanos, lobos, cobras e aves de rapina. Eles geralmente são dóceis, e não têm medo dos humanos.

Reprodução e Ciclo de Vida
A ninhada é composta em média por três filhotes, que nascem após 59-66 dias, normalmente em torno de abril ou maio, embora, em algumas áreas, os gatos-da-areia podem dar à luz a duas ninhadas por ano. Os filhotes pesam 39-80 g quando nascem. Eles crescem com relativa rapidez, chegando a três quartos do tamanho adulto dentro de cinco meses após o nascimento. Gatos-da-areia estão totalmente independentes até o final de seu primeiro ano, e atingem a maturidade sexual não muito tempo depois.

Pouco se sabe sobre a expectativa de vida do gato-da-areia na natureza, mas pode viver até 13 anos em cativeiro.

Subespécies
Existem 6 subespécies de gato-da-areia:

    Felis margarita margarita - Norte da África, da Algéria a Arábia
    Felis margarita airensis - Níger
    Felis margarita harrisoni - Península Arábica
    Felis margarita meinertzhageni - Saara
    Felis margarita thinobia - região do Mar Cáspio (Irã, Turcomenistão)
    Felis margarita scheffeli - Paquistão

www.megatimes.com.br

Gato-de-Cabeça-Chata (Prionailurus planiceps)

Gato-de-Cabeça-Chata (Prionailurus planiceps)

Gato-de-Cabeça-Chata (Prionailurus planiceps)O Gato-de-Cabeça-Chata (Prionailurus planiceps) é um pequeno felino selvagem encontrado na Península Malaia, Bornéu e Sumatra. Desde 2008, está listado como "Ameaçado" pela IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza), devido à destruição do seu habitat .

Este felino é muito raro em cativeiro, com menos de 10 indivíduos - todos em zoológicos no sudeste da Ásia - registrados pelo ISIS (International Species Information System) no início de 2010. Como outros felinos de pequeno porte, foi originalmente colocado no gênero Felis, mas agora é considerado uma das cinco espécies Prionailurus.

Descrição
O gato-de-cabeça-chata tem um comprimento (cabeça-corpo) de 41-50 cm, e uma cauda curta de 13-15 cm. Ele pesa 1,5-2,5 kg. A pele grossa é geralmente marrom-avermelhada tingida de cinza, com uma cabeça mais avermelhada e as partes inferiores esbranquiçadas. As pernas são relativamente curtas, e as orelhas são curtas e redondas.

Asim como os guepardos, as garras são parcialmente retráteis. A forma da cabeça é atípica para um felino, o crânio é bastante longo, enquanto a parte superior do crânio, como sugerido pelo seu nome comum e científico, é bastante chata. Os olhos estão estranhamente mais à frente e juntos, em comparação com outros felinos, dando ao animal uma visão estereoscópica melhor. Além disso, os dentes são adaptados para agarrar presas escorregadias, e as mandíbulas são relativamente poderosas. Esses recursos ajudam o gato-de-cabeça-chata capturar e manter presas aquáticas, no qual é tão bem adaptado quanto seu parente próximo: o gato-pescador.

Distribuição e habitat
A distribuição dos gatos-de-cabeça-chata está restrita as florestas tropicais de planície no extremo sul da Tailândia, Península Malaia, Sabah, Sarawak, Brunei Darussalam, Kalimantan e Sumatra. Eles ocorrem principalmente em habitats de água doce perto das áreas costeiras e terras baixas. Mais de 70% dos registros foram coletados a menos de 3 km de distância da água.

O gato-de-cabeça-chata ocorre em florestas primárias e secundárias.

Ecologia e comportamento
O gato-de-cabeça-chata é geralmente considerado um animal noturno, mas as observações de indivíduos em cativeiro sugerem que é crepuscular. Ele caça principalmente rãs, peixes e crustáceos, mas também captura ratos e galinhas. Em cativeiro, eles mostram mais interesse em presas na água do que em terra, sugerindo uma forte preferência para a caça ribeirinha em seu habitat natural.

Tem pré-molares relativamente longos, e é um dos poucos felinos que não é capaz de retrair completamente as garras (os outros são o guepardo, o gato-pescador e o gato-de-iriomote). Estas adaptações combinadas com o seu comportamento tem resultado em comparações com mustelídeos semi-aquáticos, e é conhecida pela facilidade de entrar na água.

Na natureza, os gatos-de-cabeça-chata são solitários, e marcam seu território. Ao contrário de outros felinos, no entanto, eles espirram urina andando para a frente em uma posição agachada, deixando um rastro no chão, ao invés de direcioná-la sobre uma superfície vertical. Eles parecem ter vocalizações semelhantes ao gato doméstico.

No geral, porém, pouco se sabe sobre seu comportamento selvagem, mas um período de gestação de cerca de 56 dias, e uma ninhada de 1-2 filhotes foram relatadas em cativeiro. Indivíduos em cativeiro viveram por 14 anos.

Status
O gato-de-cabeça-chata é considerado ameaçado pela IUCN e listado no apêndice I da CITES. A população total provavelmente está abaixo de 2.500 indivíduos adultos. A perda de habitat e a poluição das águas são grandes ameaças para esse felino. O gato-de-cabeça-chata está totalmente protegido em toda sua área de distribuição, exceto em Brunei, onde esta espécie não tem proteção legal. Avistamentos deste felino geralmente são muito raros.

www.megatimes.com.br