Mostrando postagens com marcador Ictiologia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Ictiologia. Mostrar todas as postagens

Peixe Rei ou Arabaiana-azul (Elagatis bipinnulata)


Peixe Rei ou  Arabaiana-azul (Elagatis bipinnulata)

Peixe Rei (Elagatis bipinnulata)
Características: Os Peixes Reis ou  Arabaiana-azuis (Elagatis bipinnulata) são nadadores velozes e incansáveis, capazes de percorrer grandes distâncias, pois têm o corpo fusiforme, bastante musculado e munido de barbatanas fortes. Alcançam 1,80 m de comprimentoe podem pesar até 15 Kg. Dorso com coloração variando do azul escuro ao cinza para baixo, ventre branco e linha lateral amarelada. As barbatanas variam do oliva ao amarelo. Base da barbatana anl mais curta que a base da barbatana dorsal.

Habitat: nadam perto da superfície, em águas costeiras ou oceânicas, em profundidade de até 150 m.

Ocorrência: todo o litoral brasileiro.

Hábitos: formam cardumes numerosos.

Alimentação: invertebrados e peixes.

Ameaças: poluição, destruição do habitat e pesca predatória.

Peixe Rei ou  Arabaiana-azul (Elagatis bipinnulata)
Peixe Rei ou  Arabaiana-azul (Elagatis bipinnulata)

Fonte: www.megatimes.com.br

Peixe Lua (Mola mola)


Peixe Lua (Mola mola)

Peixe Lua (Mola mola)
Características: trata-se de uma espécie verdadeiramente impressionante e inconfundível, na medida em que aliam as suas grandes dimensões a uma fisionomia deveras bizarra. Seu corpo com forma arredondada, quase discóide e achatado, pode ultrapassar a altura de 3,0 metros e pesar cerca de duas toneladas. Não possui uma barbatana caudal idêntica à dos outros peixes e, durante a natação, movimenta as suas longas barbatanas caudal e anal de um lado para o outro. A nadadeira dorsal é grande e triangular, semelhante à anal que é da mesma forma, um pouco menor. Possui duas nadadeiras peitorais semelhantes a orelhas e a base da caudal é reta. A boca e os olhos são pequenos e todo corpo é coberto por uma pele muito espessa e áspera, mas sem escamas. Abaixo da pele existe uma grossa capa de tecido de consistência cartilaginosa, formando assim uma espécie de couraça. Seu corpo possui coloração cinza-prateada lateralmente, quase branca no ventre e azulada no dorso. São frequentemente observados à superfície, podendo ser confundidos com tubarões, devido à sua proeminente barbatana dorsal.

Peixe Lua (Mola mola)Habitat: águas oceânicas vivendo na coluna d'água (pelágico) desde a superfície até cerca de 600m de profundidade mas, ocasionalmente, podem ser encontrados perto da costa.

Ocorrência: todo o litoral brasileiro.

Hábitos: passa boa parte do tempo se alimentando em águas profundas, escuras e frias, costuma vir à superfície eventualmente em busca de águas mais aquecidas, onde pode ser auxiliado por outros peixes e até gaivotas na remoção de seus parasitas da pele. Além de viver constantemente parasitado na pele, suas brânquias, olhos, intestinos e músculos, são também infestados por uma variedade de outros parasitas, entre eles copépodes, cirrípedes, trematódeos, helmintos, nematódeos, cestódeos, filárias e outros. Acredita-se inclusive que em algumas regiões do oceano já tenha sido criado um hábito simbiótico entre o lua e as gaivotas. O peixe fica na tona d'água em posição lateral, sendo esse o sinal para a vinda das gaivotas, que se aproximam e capturam os crustáceos parasitas que infestam a pele do lua. São peixes inofensivos.

Alimentação: se alimentam de medusas e, ocasionalmente, de pequenos crustáceos e peixes, que sugam com a sua poderosa boca.

Reprodução: as fêmeas produzem até 300 milhões de ovos de cada vez que são libertados na água.

Ameaças: poluição e destruição do habitat.

Fonte: www.megatimes.com.br

Peixe Galo (Selene vomer)


Peixe Galo (Selene vomer)

Peixe Galo (Selene vomer)
Características: peixe de escamas que chama bastante atenção pelo formato único de seu corpo, extremamente achatado, lembrando uma folha de papel. Corpo muito alto e muito comprimido com nadadeiras pélvicas muito pequenas. Linha lateral com uma série de espinhos na porção posterior, antes do pedúnculo caudal. Coloração prateada, sendo o dorso verde azulado, os flancos são mais claros e o ventre esbranquiçado. Apresenta uma pequena mancha ovalada preta na margem superior do opérculo e outra do mesmo tamanho na parte superior do pedúnculo caudal. Alcança 40 cm de comprimento total e cerca de 1 Kg. A carne é de boa qualidade, mas não é comum nos mercados.

Habitat: espécie de superfície que frequenta estuários. Pode ser encontrado de passagem, em costões e próximo a piers e a outras estruturas.

Ocorrência: todo o litoral brasileiro.

Hábitos: forma grandes cardumes.

Alimentação: carnívoro predador e se alimenta de pequenos peixes, crustáceos e moluscos.

Ameaças: pesca predatória, destruição do habitat e poluição.

Peixe Galo (Selene vomer)
Peixe Galo (Selene vomer)

Fonte: www.megatimes.com.br

Peixes da Família Pseudanthias Foram Descobertos no Oceano Índico

Peixes da Família Pseudanthias Foram Descobertos no Oceano Índico

Peixes da Família Pseudanthias Foram Descobertos no Oceano Índico
Peixe da espécie Pseudanthias bimarginatus, descoberto no Oceano Índico

próximo às ilhas Maldivas (Foto: John E Randall/Practical Fishkeeping)
Pseudanthias bimarginatus
Duas novas espécies de peixes da família Pseudanthias foram descobertas por pesquisadores nas proximidades de Maldivas e Maurícia, países insulares localizados no Oceano Índico.

A informação foi publicada na segunda-feira (4 de julho de 2011) no site da revista inglesa Practical Fishkeeping, especializada em vida marinha. A primeira espécie descoberta foi o Pseudanthias bimarginatus, nas Maldivas (imagem acima).

Pseudanthias bimarginatus

  • Pseudanthias unimarginatus
Peixes da Família Pseudanthias Foram Descobertos no Oceano Índico
Espécie Pseudanthias unimarginatus foi descoberta nas proximidades da Ilha Maurícia. (Foto: Reprodução/Practical Fishkeeping)


A segunda foi chamada de Pseudanthias unimarginatus e vem da Ilha Maurícia (fotografia ao lado).

De acordo com a publicação, os peixes vivem em recifes de corais, onde se protegem de predadores, e se alimentam de zooplâncton.

Até agora, 65 espécies foram descritas, sendo que 49 foram validadas pelos cientistas.

www.megatimes.com.br

Peixe Pintado ou Surubim (Pseudoplatystoma fasciatum)


Peixe Pintado ou Surubim (Pseudoplatystoma fasciatum)


Pseudoplatystoma fasciatum

Características: peixe de couro que pode alcançar 1,2 m de comprimento e 20 kg . Conhecido também como cachara. Corpo alongado e roliço, cabeça grande e achatada. A coloração é cinza escuro no dorso, clareando em direção ao ventre, sendo branca abaixo da linha lateral. Pode ser separada das outras espécies do gênero pelo padrão de manchas: faixas verticais pretas irregulares, começando na região dorsal e se estendendo até abaixo da linha lateral. Às vezes, apresenta algumas manchas arredondadas ou alongadas no final das faixas. Carne muito apreciada.

Peixe Pintado ou  Surubim (Pseudoplatystoma fasciatum)Habitat: poços no canal dos rios, baixios de praias, lagos e matas inundadas.

Ocorrência: regiões Norte e Centro-Oeste, além dos Estados de São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina.

Hábitos: realiza migração reprodutiva rio acima a partir do início da enchente.

Alimentação: piscívora, com preferência para peixes de escamas, mas, em algumas regiões, camarão também é um item importante na dieta.

Ameaças: pesca predatória, destruição do habitat e poluição.

Peixe Pintado ou  Surubim (Pseudoplatystoma fasciatum)
Peixe Pintado ou  Surubim (Pseudoplatystoma fasciatum)
Peixe Pintado ou  Surubim (Pseudoplatystoma fasciatum)

Fonte: www.megatimes.com.br

Tucunaré (Cichla ocellaris)


Tucunaré (Cichla ocellaris)


Tucunaré (Cichla ocellaris)

Características: peixe de escamas com corpo alongado e um pouco comprimido. Existem pelo menos 14 espécies de tucunarés na Amazônia, sendo cinco espécies descritas: Cichla ocellaris, C. temensis, C. monoculus, C. orinocensis e C. intermedia . O tamanho (exemplares adultos podem medir 30cm ou mais de 1m de comprimento total), o colorido (pode ser amarelado, esverdeado, avermelhado, azulado, quase preto etc.), e a forma e número de manchas (podem ser grandes, pretas e verticais; ou pintas brancas distribuídas regularmente pelo corpo e nadadeiras etc) variam bastante de espécie para espécie. Todos os tucunarés apresentam uma mancha redonda (ocelo) no pedúnculo caudal. Carne muito apreciada.

Tucunaré (Cichla ocellaris)Habitat: açudes, represas, rios e tanques de piscicultura.

Ocorrência: de origem amazônica, está disseminado pelas regiões sudeste. Centro-oeste e nordeste do Brasil.

Hábitos: rápido, agressivo, forte e até estúpido. Sedentários (não realizam migrações). Têm hábitos diurnos.

Alimentação: carnívoro. Alimentam-se principalmente de peixes e camarões. Perseguem a presa, ou seja, após iniciar o ataque, não desistem até conseguir capturá-las.

Reprodução: formam casais e se reproduzem em ambientes lênticos, onde constroem ninhos e cuidam da prole.

Ameaças: pesca predatória, poluição e destruição do habitat.

Tucunaré (Cichla ocellaris)
Tucunaré (Cichla ocellaris)
Tucunaré (Cichla ocellaris)
Tucunaré (Cichla ocellaris)
Tucunaré (Cichla ocellaris)
Tucunaré (Cichla ocellaris)

Fonte: www.megatimes.com.br

Trairão (Hoplias lacerdae)


Trairão (Hoplias lacerdae)


Trairão (Hoplias lacerdae)
Características: peixe de escamas maior que a traíra, atinge 20 Kg e 1 m de comprimento. Corpo cilíndrico. Coloração é quase negra no dorso, os flancos são acinzentados e o ventre esbranquiçado.

Habitat: águas rasas com galhadas, troncos, juncos e capim em remansos de rios, lagoas e represas sempre emboscando suas presas.

Trairão (Hoplias lacerdae)Ocorrência: Amazonas, Pará, Mato Grosso e São Paulo.

Hábitos: costuma conviver em vários indivíduos não chegando no entanto a formar grandes cardumes.

Alimentação: piscívora, muito voraz.

Ameaças: poluição e destruição do habitat.


Trairão (Hoplias lacerdae)

Fonte: www.megatimes.com.br