Mostrando postagens com marcador Ictiologia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Ictiologia. Mostrar todas as postagens

Peixe-Leão | Pterois

Peixe-Leão | Pterois

Peixe-Leão | Pterois

O Peixe-Leão é uma espécie do gênero de peixes marinhos venenosos chamado Pterois, comumente conhecido como peixe-leão, nativo do Indo-Pacífico. Também chamado de peixe-zebra, firefish, peixe-peru, peixe saboroso ou bacalhau-borboleta, é caracterizado por uma notável coloração de aviso com faixas vermelhas, brancas, cremosas ou pretas, barbatanas peitorais vistosas e raios venenosos de barbatana pontiaguda. Pterois radiata, Pterois volitans e Pterois miles são as espécies mais comumente estudadas no gênero. As espécies de Pterois são peixes de aquário populares. Pterois volitansPterois miles são espécies invasoras recentes e significativas no Atlântico oeste, Mar do Caribe e Mar Mediterrâneo.

Peixe-Leão Comum (Pterois volitans)
O Peixe-Leão Comum (Pterois volitans), são espécies de peixes com barbatanas de raios nativos da região Indo-Pacífico ocidental. O peixe-leão comum é freqüentemente confundido com seu parente próximo, o peixe-leão vermelho (Pterois volitans). O nome científico é do grego pteron, que significa "asa", e milhas latinas, que significa "soldado".

O peixe-leão comum cresce até 35 cm de comprimento. A barbatana dorsal possui 13 espinhos longos e fortes e 9 a 11 raios moles, e a barbatana anal tem três espinhos longos e seis ou sete raios moles. A barbatana dorsal parece emplumada e as barbatanas peitorais são semelhantes a asas com raios amplos e suaves separados. Estes peixes variam de cor, de avermelhado a bronzeado ou cinza, e têm inúmeras barras finas, escuras e verticais na cabeça e no corpo. Sua cabeça é menos angular que a de Pterois  volitans.

Comportamento
O peixe-leão comum é principalmente noturno e pode se esconder em fendas durante o dia. Alimenta-se de peixes e pequenos crustáceos. Tem poucos predadores, provavelmente por causa de suas espinhas venenosas, mas os peixes-leão maiores atacam os menores. Foi demonstrado que o cornetfish de manchas azuis (Fistularia commersonii) se alimenta dele, assim como as garoupas nas Bahamas.

Distribuição e habitat
Pterois  miles é nativo do Oceano Índico, do Mar Vermelho, da África do Sul e da Indonésia; também foi relatado recentemente no mar Mediterrâneo oriental e central, perto de Chipre, em Malta, ao norte de Izmir, no mar Egeu (migração lessepsiana). Agora também está presente na costa leste dos Estados Unidos e no mar do Caribe, onde é considerada uma espécie invasora. Sua aparência é muito semelhante à P. volitans, que não ocorre no Mar Vermelho. P. milhas é geralmente encontrado em áreas com fendas ou lagoas, geralmente nas encostas externas dos recifes de coral. As moreias foram recentemente identificadas como predadores naturais de P. milhas em seu habitat nativo no Mar Vermelho. Algumas espécies de garoupa e tubarões de recife também são seus predadores.

Peixe-Leão | Pterois

Peixe-Leão-Vermelho (Pterois volitans
O Peixe-Leão-Vermelho (Pterois volitans) é um peixe venenoso de recife de coral da família Scorpaenidae, da ordem Scorpaeniformes. O P. volitans é encontrado nativamente na região do Indo-Pacífico, mas se tornou um problema invasivo no mar do Caribe, bem como ao longo da costa leste dos Estados Unidos e do Mediterrâneo Oriental. Esta e uma espécie similar, milhas Pterois, foram consideradas espécies invasoras. O peixe-leão vermelho está vestido com listras brancas alternadas com listras vermelhas / marrom / marrons. Os adultos dessa espécie podem crescer até 47 cm de comprimento, tornando-a uma das maiores espécies de peixes-leão no oceano, enquanto os juvenis geralmente têm menos de 2,5 cm. O peixe-leão vermelho médio vive cerca de 10 anos. Tal como acontece com muitas espécies da família Scopaenidae, possui espinhos grandes e peçonhentos que se projetam do corpo, semelhantes a uma juba, dando-lhe o nome comum de peixe-leão. As espinhas venenosas tornam o peixe comestível ou impedem a maioria dos predadores em potencial. Os peixes-leão se reproduzem mensalmente e são capazes de se dispersar rapidamente durante o estágio larval para expansão de sua região invasora. Não são conhecidos predadores definitivos do peixe-leão, e muitas organizações estão promovendo a colheita e o consumo de peixe-leão, em esforços para impedir aumentos adicionais nas densidades populacionais já elevadas.

Pterois radiata

Peixe-Leão Marinho (Pterois radiata)
O Peixe-Leão Marinho (Pterois radiata), também chamado de peixe-leão na barra da cauda, ​​peixe-leão radiata, peixe-fogos de artifício ou peixe-espada radial, é um peixe carnívoro com barbatanas de raios com espinhos venenosos que vive nos oceanos do Pacífico indiano e ocidental. Esta é a única espécie de peixe-leão que possui espinhos sem marcas. Também pode ser reconhecido pelo par de listras brancas horizontais em seu pedúnculo caudal.

Descrição
O Peixe-Leão Marinho (Pterois radiata) cresce até um comprimento de cerca de 24 cm (9 polegadas), embora um tamanho mais comum seja 20 cm (8 polegadas). A barbatana dorsal tem 12 ou 13 espinhos longos e venenosos e 10 a 12 raios moles. A barbatana anal tem três espinhos e cinco ou seis raios moles. As grandes barbatanas peitorais se alargam para o lado e são claras e sem bandas. As outras barbatanas também são incolores. A cor da cabeça e do corpo é marrom-avermelhada, com cerca de seis faixas escuras verticais de cores diferentes no corpo, separadas por finas linhas brancas. Duas linhas horizontais brancas ocorrem no pedúnculo caudal, que distingue esse peixe de outros peixes-leão semelhantes.

Distribuição e habitat
Peixe-Leão Marinho (Pterois radiata) é nativo da região Indo-Pacífico ocidental. Seu alcance se estende da África do Sul e do Mar Vermelho à Indonésia, Ilhas da Sociedade, Ilhas Ryukyu, norte da Austrália e Nova Caledônia. Pode ser encontrada em recifes rochosos costeiros e offshore em profundidades de cerca de 25 m (82 pés). Às vezes, peixes juvenis são encontrados em poças de maré.

Biologia
Esta espécie é principalmente noturna. Ele passa o dia escondido em fendas nas rochas, em pequenas cavernas ou sob saliências. Surge à noite para se alimentar de invertebrados, como caranguejos e camarões.

Peixe-Leão | Pterois
Peixe-Leão | Pterois
Peixe-Leão | Pterois
Peixe-Leão | Pterois

Espécies
Atualmente existem 12 espécies reconhecidas neste gênero:
  1. Pterois andover G.R. Allen e Erdmann, 2008 - Andover lionfish
  2. Pterois antennata (Bloch, 1787) - peixe-leão de barbatana manchada
  3. Pterois brevipectoralis (Mandritsa, 2002)
  4. Pterois cincta Rüppell, 1838 - Peixe-leão do Mar Vermelho 
  5. Pterois lunulata Temminck & Schlegel, 1843 - peixe-leão Luna
  6. Milhas Pterois (J. W. Bennett, 1828) - peixe-diabo
  7. Pterois mombasae (J. L. B. Smith, 1957) - peixe-leão-africano, peixe-peru com nadadeiras
  8. Pterois paucispinula Matsunuma & Motomura, 2014 
  9. Pterois radiata G. Cuvier, 1829 - Peixe-leão de barbatana clara 
  10. Pterois russelii E. T. Bennett, 1831 - Peixe-peru de cauda lisa, peixe-leão soldado ou peixe-leão de Russell
  11. Pterois sphex D. S. Jordan & Evermann, 1903 - Peixe-peru havaiano
  12. Pterois volitans (Linnaeus, 1758) - peixe-leão-vermelho
Pterois antennata


Peixe Bijupirá (Rachycentron canadum)


Peixe Bijupirá (Rachycentron canadum)

Peixe Bijupirá (Rachycentron canadum)


Características: O Peixe Bijupirá (Rachycentron canadum) é um peixe de escamas muito pequenas com corpo alongado e subcilíndrico, cabeça grande e achatada. As nadadeiras dorsal e anal são do mesmo tamanho, dando a impressão de uma ser reflexo da outra. A nadadeira caudal tem o lobo superior muito maior que o inferior. A coloração é marrom escuro, sendo o ventre amarelado; apresenta duas faixas prateadas ao longo do corpo. As nadadeiras são escuras. Pode alcançar 2 m de comprimento total e 50 kg.

Habitat: áreas costeiras e no alto-mar em superfície e meia-água. Pode ser encontrada ocasionalmente em águas rasas com fundo rochoso ou de recife, assim como em estuários e baías.

Ocorrência: regiões Norte, Nordeste, Sudeste e Sul (do Amapá ao Rio Grande do Sul). Mais comum no Nordeste.

Hábitos: normalmente é encontrada sozinha ou aos pares, mas pode formar cardumes pequenos.

Alimentação: peixes, crustáceos e lulas.

Ameaças: poluição e destruição do habitat.

Peixe Bijupirá (Rachycentron canadum
Peixe Bijupirá (Rachycentron canadum

www.megatimes.com.br
www.klimanaturali.org

Peixe Bonito Pintado (Euthynnus alletteratus)


Peixe Bonito Pintado (Euthynnus alletteratus)

Peixe Bonito Pintado (Euthynnus alletteratus)


Peixe Bonito Pintado (Euthynnus alletteratus)Características: O Peixe Bonito Pintado (Euthynnus alletteratus) é um peixe de escamas que distingue-se facilmente pelas pintas (de 2 a 12) agrupadas nas laterais entre as nadadeiras peitoral e lateral. Atinge 90 cm de comprimento e 15 kg de peso. Coloração azulada no dorso, com a metade posterior em linhas irregulares escuras. Flancos prateados e abaixo das nadadeiras, peitorais de cinco a sete máculas negras e redondas. De carne boa, mas oleosa.

Habitat: vive próximo ao litoral.

Ocorrência: toda a costa brasileira.

Hábitos: é menos migratória que os demais tunídeos.

Alimentação: peixes, crustáceos e lulas.

Ameaças: poluição e pesca predatória.

Peixe Bonito Pintado (Euthynnus alletteratus)
Peixe Bonito Pintado (Euthynnus alletteratus)
Peixe Bonito Pintado (Euthynnus alletteratus)
Peixe Bonito Pintado (Euthynnus alletteratus)
Peixe Bonito Pintado (Euthynnus alletteratus)

www.megatimes.com.br
www.klimanaturali.org

Peixe Bonito de Barriga Listrada (Katsuwonus pelamis)


Peixe Bonito de Barriga Listrada (Katsuwonus pelamis)

Peixe Bonito de Barriga Listrada (Katsuwonus pelamis)
Características: O Peixe Bonito de Barriga Listrada (Katsuwonus pelamis) é um  peixe de escamas que atinge no máximo 1 m de comprimento e 15 Kg de peso, sendo espécie de grande importância para a economia pesqueira mundial.

Habitat: pelágico costeiro e oceânico.

Ocorrência: todo o litoral brasileiro.

Hábitos: migratório, forma cardumes em águas superficiais associados a pássaros, objetos flutuantes (fixos ou à deriva), tubarões, baleias ou outras espécies de tunídeos. Quando estão próximos à superfície, costumam apresentar grande agitação, o que facilita a visualização dos cardumes.

Alimentação: no início da manhã e no final da tarde, quando consomem basicamente peixes, crustáceos e lulas.

Predadores naturais: agulhões.

Ameaças: poluição e pesca predatória.

Peixe Bonito de Barriga Listrada (Katsuwonus pelamis)
Peixe Bonito de Barriga Listrada (Katsuwonus pelamis)
Peixe Bonito de Barriga Listrada (Katsuwonus pelamis)
Peixe Bonito de Barriga Listrada (Katsuwonus pelamis)

www.megatimes.com.br
www.klimanaturali.org

Peixe Bonito (Sarda sarda)


Peixe Bonito (Sarda sarda)


Peixe Bonito (Sarda sarda)Características: O Peixe Bonito (Sarda sarda) é um peixe de escamas de grande importância comercial. Parente próximo dos atuns, ele se diferencia pelo seu tamanho inferior e pelo belo padrão tigrado, com manchas pelo corpo. Corpo alongado e fusiforme. Possui duas nadadeiras dorsais, uma muito próxima da outra. Coloração azul escuro, com 5-11 linhas oblíquas escuras no dorso e parte dos flancos. Os flancos e o ventre são prateados. Alcança 1 m de comprimento total e cerca de 8 kg . Na mesa nem todos o apreciam. Sua carne é bastante vermelha e gordurosa, rica em sangue, mas há que garanta que, ao forno, são saborosos.
Peixe Bonito (Sarda sarda)

Habitat: espécie oceânica de superfície, de mar aberto ou próximos de ilhas oceânicas.

Ocorrência: toda a costa brasileira.

Hábitos: peixes pelágicos. Migradores. Nadam em grandes cardumes, que são facilmente visualizados pela algazarra e saltos que fazem na água. Isso quando não são denunciados por bandos de andorinhas marinhas que sobrevoam os cardumes em busca das mesmas presas que eles estão caçando: sardinhas e manjubas.

Alimentação: peixes, lulas e crustáceos.

Reprodução: durante o verão, época de desova, pequenos cardumes se aproximam da costa.

Ameaças: poluição e pesca predatória.

Peixe Bonito (Sarda sarda)

www.megatimes.com.br
www.klimanaturali.org

Pirarara (Phractocephalus hemioliopterus)


Pirarara (Phractocephalus hemioliopterus)

Pirarara (Phractocephalus hemioliopterus)
Características: peixe de couro de corpo robusto, que alcança 50 kg e pelo menos 1,3 m do focinho à separação dos dois lobos da nadadeira caudal. Cabeça extremamente ossificada, achatada e grande, apresentando um forte contra-sombreado (a parte superior é bem escura, e a superior é branca), assim como nadadeiras, adiposa, dorsal e anal de cor laranjada brilhante. C oloração geral do corpo é cinza-escura com uma faixa longitudinal branco-amarelado ao longo dos flancos, indo da cabeça à nadadeira caudal. Essas características fazem da pirarara o peixe de couro mais colorido da bacia amazônica.

Habitat: poços e canais dos médios e grandes rios.

Ocorrência: bacias amazônica e Araguaia-Tocantins.

Alimentação: omnívoro. Alimenta-se de crustáceos, peixes e frutos.

Ameaças: destruição do habitat e poluição.

Pirarara (Phractocephalus hemioliopterus)
Pirarara (Phractocephalus hemioliopterus)
Pirarara (Phractocephalus hemioliopterus)

www.klimanaturali.org
www.megatimes.com.br

Peixe Jaú (Paulicea luetkeni)


Peixe Jaú (Paulicea luetkeni)

Peixe Jaú (Paulicea luetkeni)
Características: é um dos maiores peixes de couro da região Amazônica e, certamente, da região Neotropical. C onsiderado o maior dos bagres. A sua cabeça é bastante ampla e achatada, enquanto que o corpo se afina bastante rapidamente em direção à cauda. B oca bem desenvolvida e nadadeiras peitorais e dorsal com espinhos. Sua coloração é parda ou verde-azeitona e o ventre, esbranquiçado. Pode atingir 1,90 m de comprimento e mais de 100 kg de peso.

Habitat: no canal do rio, cachoeiras , poços profundos e junto as margens nas baías.

Ocorrência: bacias do Amazonas, do Paraná e do Prata (regiões Norte e Centro-Oeste, além dos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Paraná).

Hábitos: migra para reproduzir. Noturno.

Alimentação: se alimenta de peixes de escama durante a época seca (foi observada a captura específica de curimbas).

Reprodução: uma fêmea de 70 kg apresenta ovários com 4 kg, com mais de 3,5 milhões de óvulos.

Ameaças: prejudicado pela construção de barragens. A pressão de pesca pelos frigoríficos que exportam filé de jaú é muito grande e tem sido responsável pela queda da captura da espécie na Amazônia. Poluição e destruição do habitat são outras ameaças.

Peixe Jaú (Paulicea luetkeni)

www.klimanaturali.org
www.megatimes.com.br