Mostrando postagens com marcador Invertebrados. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Invertebrados. Mostrar todas as postagens

#Mariposas

#Borboletas

#Insetos

#Besouros

Escorpiões | Scorpiones

Escorpiões | Scorpiones

Escorpiões | Scorpiones

Os Escorpiões são aracnídeos predatórios da ordem Scorpiones. Têm oito patas e são facilmente reconhecidas pelo par de pedipalpos de agarrar e pela cauda estreita e segmentada, muitas vezes carregada em uma característica curva para a frente nas costas, terminando com um ferrão venenoso. Os escorpiões variam em tamanho de 9 mm / 0,3 pol. (Typhlochactas mitchelli) a 23 cm / 9 pol. (Heterometrus swammerdami).

Escorpiões | Scorpiones

A história evolutiva dos escorpiões remonta ao período siluriano, 430 milhões de anos atrás. Eles se adaptaram a uma ampla gama de condições ambientais e agora podem ser encontrados em todos os continentes, exceto na Antártida. Os escorpiões são cerca de 1750 espécies descritas, com 13 famílias sobreviventes reconhecidas até o momento. A taxonomia sofreu mudanças e é provável que mude mais, à medida que os estudos genéticos estão trazendo novas informações.

Todos os escorpiões têm uma picada venenosa, mas a grande maioria das espécies não representa uma séria ameaça para os humanos e, na maioria dos casos, os adultos saudáveis ​​não precisam de tratamento médico após serem picados. Apenas cerca de 25 espécies são conhecidas por terem veneno capaz de matar um ser humano.:1 Em algumas partes do mundo, com espécies altamente venenosas, fatalidades humanas ocorrem regularmente, principalmente em áreas com acesso limitado a tratamento médico.

Escorpiões | Scorpiones
Escorpiões | Scorpiones
Escorpiões | Scorpiones
Escorpiões | Scorpiones
Escorpiões | Scorpiones
Escorpiões | Scorpiones
Escorpiões | Scorpiones
Escorpiões | Scorpiones
Escorpiões | Scorpiones
Escorpiões | Scorpiones
Escorpiões | Scorpiones
Escorpiões | Scorpiones
Escorpiões | Scorpiones
Escorpiões | Scorpiones

Baleia Cachalote (Physeter macrocephalus)


Baleia Cachalote (Physeter macrocephalus)


Baleia Cachalote (Physeter macrocephalus)
Baleia Cachalote (Physeter macrocephalus)
Baleia Cachalote (Physeter macrocephalus)
Baleia Cachalote (Physeter macrocephalus)

Família - Physeteridae.

DistribuiçãoBaleia Cachalote (Physeter macrocephalus) ocorre em todos os oceanos especialmente em águas profundas, evitando apenas as regiões polares. Os machos adultos se aproximam mais dos pólos que as fêmeas e os juvenis que podem permanecer todo o ano em regiões tropicais. No Brasil, sua distribuição abrange uma grande faixa de nosso litoral, desde o Rio Grande do Sul até a região nordeste, onde são comuns os encalhes.


Peso, medidas e características - o comprimento máximo registrado para fêmeas e machos é de 17 m e 20 m, respectivamente. O comprimento médio para fêmeas é de 12 m e o de machos é de 15 m. O peso máximo dos machos é de 52 toneladas e das fêmeas 38 toneladas. O cachalote é um dos poucos cetáceos que apresentam dimorfismo sexual, uma vez que os machos são bem maiores que as fêmeas. É um animal robusto. A cabeça é muito grande (cerca de 1/3 a 1/4 do comprimento do animal) e tem forma retangular. Na parte superior frontal da cabeça, encontra-se o órgão que produz o espermacete, substância que é importante para compensar a variação de pressão em mergulhos profundos e manter o equilíbrio do animal. A mandíbula é muito estreita e pequena, posicionada na parte ventral da cabeça. Entre as nadadeiras dorsal e caudal existem várias ondulações. A pele da parte posterior do corpo é enrugada. Sua coloração é escura e uniforme, indo do cinza ao marrom. Possui de 18 a 25 pares de dentes. As nadadeiras peitorais tem a forma de remo. O orifício respiratório fica situado à esquerda da linha central e a frente da cabeça. Por isso, o borrifo do cachalote é típico, projetado para frente e para a esquerda e pode alcançar de 2 m a 5 m de altura.
Baleia Cachalote (Physeter macrocephalus)

Baleia Cachalote (Physeter macrocephalus)Como nascem e quanto vivem - as fêmeas alcançam a maturidade sexual entre 7 e 13 anos e os machos entre 18 e 21 anos. O período de gestação varia de 14 a 16 meses. Filhotes nascem medindo cerca de 4m e pesando 1 tonelada. A amamentação pode durar de 1,6 a 3,5 anos. O intervalo médio entre as crias é de 4 a 6 anos. Podem viver até 77 anos.

Comportamento e hábitos - pode ser encontrado sozinho (geralmente machos adultos) ou em grupos de até 50 animais. No período de reprodução, os machos formam haréns e disputam as fêmeas com comportamentos agressivos. Animais mais velhos costumam apresentar marcas e cicatrizes pelo corpo resultantes desses combates. Geralmente, os grupos são formados por machos jovens ou fêmeas e crias, podendo estar acompanhadas por um ou mais machos adultos, o que indica haver segregação por sexo e idade. Geralmente, os cachalotes costumam se aproximar dos pólos durante o verão para se alimentarem, e retornam as áreas temperadas e tropicais durante o inverno para se reproduzirem. Mergulha muito fundo para capturar seu alimento podendo ultrapassar 2.500m e permanecer submerso mais de uma hora. Costuma saltar e colocar sua grande cabeça para fora da água. Devido aos seus hábitos gregários, a estrutura social parece ser complexa e coesa. Em 1973, no Rio Grande do Sul, um grupo de 33 cachalotes encalharam de forma massiva. No mundo, existem famosas e importantes áreas de concentração de cachalotes como por exemplo, Arquipélagos de Açores, Madeira e Galápagos, Nova Zelândia e Noruega.

Alimentação - lulas, polvos e peixes (inclusive raias e tubarões) e crustáceos. O cachalote produz em seu sistema digestivo uma secreção chamada de âmbar-gris que se forma ao redor dos bicos de lula que não são digeridos. No passado, essa substância era utilizada para a fabricação de perfumes e cosméticos.

Identificação Individual - a forma e os cortes das bordas da nadadeira caudal ou seja, seu contorno, criam um desenho único em cada indivíduo. O cachalote costuma projetar a nadadeira caudal para fora da água antes de iniciar um mergulho profundo.

Inimigos Naturais - as orcas (Orcinus orca).

Ameaças - os cachalotes foram intensamente explorados comercialmente devido aos seus caros produtos como o espermacete e o âmbar-gris tendo uma das mais antigas e contínuas histórias de exploração entre os cetáceos. As capturas acidentais em redes de espera e de deriva oceânicas (drift-nets) constituem uma das mais sérias ameaças. Às vezes, os cachalotes ficam presos em cabos telefônicos colocados no fundo dos oceanos.

Status - encontra-se citado na categoria Vulnerável (IUCN, 1996).

#Odonatas

#Mariposas

#Manticora e Mantis

#Borboletas