Mostrando postagens com marcador Recursos Hídricos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Recursos Hídricos. Mostrar todas as postagens

Bacia Hidrográfica da Amazônia

Bacia Hidrográfica da Amazônia

A Bacia Hidrográfica da Amazônia é a maior bacia hidrográfica do mundo, concentrando 10 dos maiores rios do planeta e 1/4 da água doce da Terra. O complexo é o maior sistema de água doce do mundo, com aproximadamente 7.050.000 km² de área de drenagem, incluindo o rio Tocantins.No total 64,91% se encontram no território brasileiro. A Colômbia possui(16,14%), a Bolívia (15,61%), o Equador (2,31%), a Guiana (1,35%), o Peru (0,60%) e Venezuela possui (0,11%).
Limites: A Bacia Amazônica está limitada a Oeste pelos Andes, ao Norte pelo Escudo das Guianas, ao Sul pelo Maciço Central Brasileiro e a Leste, deságua no Oceano Atlântico. Suas nascentes estão localizadas na Venezuela, Colômbia, Peru e Bolívia. No Brasil, abrange os Estados do Amazonas, Pará, Amapá, Acre, Roraima Rondônia e Mato Grosso.

Bacia Hidrográfica da Amazônia

Afluentes: Entre os principais afluentes da margem esquerda encontram-se o Japurá, o Negro e o Trombetas; na margem direita, o Juruá, o Purus, o Madeira, o Xingu e o Tapajós. A Bacia Amazônica é fortemente influenciada pela sazonalidade das chuvas, que começam entre novembro-dezembro na região ao sul do Equador e uns meses mais tarde ao norte desse País e se estendem por 4 a 5 meses. O principal sistema fluvial é o rio Amazonas que nasce na região Andina e percorre 6.771 km até a sua foz, no Pará, possui uma descarga média final de 175.000 m3, que representa 20% do total de águas doces do mundo que chegam aos oceanos.

Bacia Hidrográfica da Amazônia

As constantes chuvas que caem na região também contribuem para a formação de centenas de pequenos rios e igarapés. O nível das águas do maior rio da bacia, o Amazonas, sobe gradualmente de novembro a junho, quando começa a descer até fins do penúltimo mês do ano. Alguns rios da Bacia Amazônica têm águas pretas, como o Negro, que variam do tom oliva a castanho-café. As águas assumem estas cores por terem menos 5mg/l de partículas em suspensão.
Os rios como o Tapajós tem águas chamadas de claras, mas que, na verdade, variam do amarelo-esverdeado até o oliva e que, às vezes, apresentam-se transparentes. As chamadas águas brancas, como as do Rio Solimões, são barrentas e túrbidas devido a elevada carga de partículas em suspensão - entre 40 e 300 mg/l.

Rio Sete Voltas | Rondônia

Rio Sete Voltas | Rondônia

Rio Sete Voltas | RondôniaRio Sete Voltas - Colorado do Oeste

O rio Sete Voltas está localizado no município de Colorado do Oeste, RO e apresenta as coordenadas geográficas: Linha 01, km1, Rumo Escondido LA: 0765267-Sul e LO: 8553850-Oeste; Linha Nova 1, km1, LA 0765269-Sul e LO 8550332 –Oeste; Linha 1, km3, Rumo Escondido- LA 0762442 e LO 8547688; Linha2, km 7 Rumo Escondido. O rio Sete Voltas deságua no rio Escondido que é afluente do Rio Guaporé e, que forma a bacia do rio Madeira, que por sua vez, forma a bacia do Rio Amazonas.

No município de Colorado do Oeste o rio Sete Voltas é o rio que abastece a rede de captação da CAERD - Companhia de Água e Esgoto de Rondônia e apresenta na Unidade de Capitação a seguinte coordenada geográfica: LA 0764981 e LO 8449276.

Rio Sete Voltas - Colorado do OesteConsiderando a política agrícola do Estado de Rondônia na década de 70, na qual, era dono da terra aquele que mais desmatasse e explorasse irracionalmente os recursos naturais, no município de Colorado do Oeste, também ocorreu o processo de degradação como: derrubadas desordenadas, queimadas, pastagens e ainda a exploração de recursos minerais como a garimpagem. Como conseqüência, o rio Sete Voltas ficou desprotegido de sua cobertura vegetal original e ainda teve outros impactos ambientais, tais como: mudanças climáticas, mortandade de animais, Assoreamento, perca da biodiversidade, redução do volume e curso d’água.

Nota–se que a ação antrópica provocou problemas ambientais que afetaram e afetam diretamente a vida da população.
O projeto de Educação ambiental é entendido como um instrumento importante e indispensável no processo de reflorestamento do rio sete voltas, pois é através dele que foram desenvolvidas ações de conscientização para proteção do rio com a execução de projetos de reflorestamento da Área de Proteção Permanente (APP).

Referências
SEDAM/GTEA - Colorado do Oeste/RO

www.megatimes.com.br
www.geografiatotal.com.br

Rio Jamari | Rondônia

Rio Jamari | Rondônia

Rio Jamari | Rondônia
Pode-se considerar o Rio Jamari, como rio, a parte que fica a jusante da represa de Samuel, depois dos 130 Km de área inundada, apenas ficou o córrego de sua nascente, somente navegável no inverno. Assim, na prática, o rio Jamari passou a ter sua nascente nos vertedouros da hidrelétrica de Samuel, a 55 Km da cidade de Porto Velho.

A usina hidrelétrica de Samuel construída no rio Jamari, afluente do rio Madeira, possui uma área inundada de 584,6 km2 e uma potência final de 216 MW. A altitude do centro da barragem é de 87,0 m acima do nível do mar. A barragem está localizada no município de Candeias do Jamari, inundando área desse município e do município de Jamari.

Rio Roosevelt | Rondônia

Rio Roosevelt | Rondônia

Rio Roosevelt | Rondônia
O Rio Roosevelt foi descoberto em 1909 pela Comissão Rondon e explorado em 1914 pela expedição científica Roosevelt-Rondon.

Nasce na chapada dos Parecis em Vilhena, no paralelo13º19’, seu curso tem o sentido sudeste/norte alcançando o rio Madeira no paralelo 5º LS, rio do qual é afluente pela margem direita.

Seu curso percorre trechos dos estados de Rondônia, Mato Grosso e Amazonas, tem uma extensão de 1.409 Km, recebe águas de vários tributários, destacando-se entre eles na margem esquerda os rios Capitão Cardoso e Tenente Lira, oriundos do município de Vilhena (Parecis) e na margem direita os rios Madeirinha e Branco.


Rio Madeira ou Caiary | Rondônia

Rio Madeira ou Caiary | Rondônia

Rio Madeira ou Caiary | Rondônia
Nasce na junção dos rios Beni e Mamoré, sendo o maior afluente do rio Amazonas pela margem direita. Sua extensão é de 3.240 quilômetros, sendo 1.700 em território brasileiro. Mas, devido aos diversos acidentes hidrográficos, seu curso navegável é de 1.116 quilômetros, a partir da cachoeira de Santo Antonio, em Porto Velho até Itacoatiara,AM. Seus afluentes pela margem direita são os rios Ribeirão, Mutum-Paraná, Jacy-Paraná, Jamari e Machado. Pela margem esquerda os afluentes são os rios Abunã, Ferreiros, José Alves, São Simão e o igarapé Cuniã.

- Os acidentes hidrográficos existentes no rio Madeira são os seguintes: (trecho Porto Velho/Guajará-Mirim).

Corredeiras: Periquitos, Três Irmãos, Macaco, Morrinhos, Pederneiras, Chocolatal, Araras e Lages. Guajará-Açu e Guajará-Mirim.

Cachoeiras: Santo Antonio, Caldeirão do Inferno, Paredão, Misericórdia, Madeira, Pau Grande e Bananeiras.

Saltos: Teotônio, Girau e Ribeirão.


Rio Ji-Paraná ou Machado | Rondônia

Rio Ji-Paraná ou Machado | Rondônia

Rio Ji-Paraná ou Machado | Rondônia
Nasce da junção dos rios Barão de Melgaço, também chamado de Comemoração de Floriano, e Apediá, chamado de Pimenta Bueno, na chapada dos Parecis. Seu curso tem uma extensão de 800 quilômetros, atravessando a região central do Estado até desembocar no rio Madeira, região de Calama, no município de Porto Velho. Tem como afluentes pela margem direita os rios Riozinho, Lourdes, São João e Tarumã. Pela margem esquerda os afluentes são os rios Luiz de Albuquerque, Rolim de Moura, Ricardo Franco, Preto, Jaru, Boa Vista, Urupá e Machadinho. Seu principal acidente hidrográfico, dentre os vários existentes e que dificultam a navegação, é a cachoeira 02 de Novembro, localizada no município de Machadinho do Oeste.

Rio Mamoré | Rondônia

Rio Mamoré | Rondônia

Rio Mamoré | Rondônia
Nasce na Cordilheira dos Andes, em território boliviano com o nome Grande de La Plata, passando a ser designado Mamoré quando alcança a Serra dos Pacaás Novos, região de Guajará-Mirim. Constituindo-se em fronteira natural entre o Brasil e a Bolívia, recebe as águas do rio Guaporé e, ao juntar-se ao Beni, outro rio boliviano, recebe a designação Mamoré e passa a formar a nascente do rio Madeira. Seu curso possui uma extensão de 1.100 quilômetros e é totalmente navegável. Tem como principais afluentes brasileiros os rios Sotério, pacaás Novos, Bananeiras e Ribeirão ou Lajes. Seus acidentes hidrográficos são as corredeiras Lages, Bananeiras, Guajará-Acu e Guajará-Mirim.

www.megatimes.com.br
www.geografiatotal.com.br