Ratos e Ratazanas

Ratos e Ratazanas

Ratos e Ratazanas
Os Ratos e Ratazanas são roedores comensais são mamíferos de hábitos alimentares omnívoros que têm como principal característica, fortes dentes incisivos que crescem continuamente. O ato de roer ajuda a desgastá-los. Dentes caninos e pré - molares são inexistentes, havendo no local um espaço denominado diastema, que lhes permite roer materiais não alimentares sem colocá-los na boca. 

Eles têm hábito noturno e necessitam de habilidades sensoriais especiais para se moverem livremente, encontrarem alimento e fugirem de predadores no escuro. O olfacto, por exemplo, é bem desenvolvido. Por onde passam, deixam odores que servem para a orientação de outros indivíduos da colônia. 

Os roedores comensais têm alta taxa reprodutiva, rápida maturação sexual e grande número de filhotes por gestação, porém o crescimento populacional pode ser limitado por diversos factores, nomeadamente a disponibilidade de alimentos. Para controlar os roedores, além do uso de raticidas é necessário eliminar os meios de sobrevivência através do saneamento ambiental. 

Rattus norvegicus
Ratazanas 
Rattus norvegicus possuem pelos ásperos, patas com membranas interdigitais, orelhas pequenas e arredondadas e olhos pequenos em relação ao resto da cabeça. Estes roedores são ótimos nadadores e escavadores que vivem em tocas perfuradas na terra ou em locais protegidos juntos a estruturas de concreto. Geralmente são encontrados nas beiras de córregos e rios, rede de esgoto e fluviais, depósitos de lixo, etc. Várias tocas podem se comunicar, formando um complexo de túneis para a movimentação dos roedores. Estes roedores vivem em grandes grupos e possuem um raio de ação de aproximadamente 30 a 45 metros em relação ao abrigo. Podem subir ou saltar, mas não são tão habilidosos para escalar quanto os outros tipos de roedores comensais. Seus hábitos alimentares são omnívoros, mas preferem cereais, carnes e lixo caseiro. Atingem a maturidade sexual entre dois a três meses de vida e podem viver por aproximadamente dois anos. Cada fêmea, durante toda a sua vida pode ter de 38 a 114 filhotes. 

Rattus rattus

Ratos 
Rattus rattus possuem olhos e orelhas grandes e salientes em relação à cabeça e patas com calos estriados e sem membranas interdigitais. A grande cauda auxilia no equilíbrio já que têm grande capacidade para escalar. São também bons nadadores. Geralmente vivem em lugares altos, mas também podem ser encontrados junto ao solo, onde não existem ratazanas. Seus hábitos alimentares são omnívoros, mas preferem cereais em grãos, frutos e vegetais. Estes roedores vivem em pequenas colônias e só formam grandes grupos em condições especiais como em lixeiras. Apresentam um raio de ação de aproximadamente 30 a 60 metros em relação ao abrigo. Atingem a maturidade sexual entre dois e três meses de vida e podem viver por aproximadamente um ano e meio. Cada fêmea, durante toda a sua vida pode ter de 18 a 70 filhotes.

Espécies de ratos e ratazanas:

Ratazana Comum
Rato negro
Rato Doméstico
Rato do Campo
Rato do campo de pescoço amarelo
Rato toupeiro de barragens
Rato toupeiro
Rato da Água

Bovídeos (Bovidae)

Bovídeos (Bovidae)

Bovídeos (Bovidae)

Os Bovídeos (Bovidae) constituem uma família de mamíferos ruminantes, à qual pertencem animais domésticos como ovelha, cabra, boi e selvagens como os antílopes e bisontes. A família está bem distribuída geograficamente, sendo ausente apenas na Austrália, e ocupa habitats diversos. Os bovídeos são animais herbívoros cujos ancestrais surgiram no Miocênico.

Os maiores bovídeos pesam mais de 1 tonelada e medem mais de 2 metros de altura do ombro; os menores pesam aproximadamente 3 quilogramas e não são mais altos do que um gato doméstico grande. Alguns são encorpados e musculosos, outros são leves e com pernas longas. Muitas espécies congregam-se em grupos grandes com estruturas sociais complexas, mas outras são na maioria do tempo solitários. Dentro de sua distribuição geográfica, ocupam uma grande variedade de habitats, do deserto à tundra e da floresta tropical densa às montanhas elevadas.

Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)

A maioria de membros da família é herbívora (as exceções são os duikers, que são onívoros). Todos os bovídeos têm um estômago tetra-compartimentado que permite que a maioria deles digira alimentos que são demasiadamente baixos em nutrientes para muitos outros animais. Nenhum animal pode digerir diretamente a celulose: como (por exemplo) cangurus e cupins, esses animais (inclusive os bovídeos) possuem bactérias no estômago para quebrar a celulose por fermentação.

Por causa do tamanho e do peso de seus sistemas digestivos complexos, muitos bovídeos têm uma configuração sólida, já os membros mais graciosos da família tendem a ter dietas mais seletivas, ao invés de pastarem. Seus dentes caninos estão ausentes ou modificados para servirem de incisivos extras. Eles também possuem um casco com dois dedos e todos os machos (e muitas fêmeas) têm chifres, sendo que o tamanho e a forma variam extremamente, mas a estrutura básica é sempre uma única saliência óssea sem filiais e coberta de queratina.

A família é conhecida através de registros fósseis do início do Mioceno. O maior número de bovídeos modernos é encontrado na África, com substanciais populações, mas menos diversas na Ásia e América do Norte. Pensa-se que muitas da espécie do bovídeos, que evoluíram na Ásia, eram incapazes de sobreviver ao advento repentino de um predador novo e estranho (seres humanos que vieram da África no Pleistoceno tardio), já as espécies africanas, tiveram muitos milhares dos anos, talvez dos alguns milhões, para se adaptar gradualmente ao desenvolvimento de habilidades humanas de caça. É notável que muitas das espécies de bovídeos de origem asiática (bodes, bois, carneiros, búfalos-de-água, iaque) foram domesticados, acredita-se que os bovídeos asiáticos tiveram menos medo dos seres humanos e eram mais dóceis.

Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)

O número pequeno de bovídeos americanos modernos chegaram relativamente recentes pela ponte de terra de Beringia. São o bisonte, o carneiro-selvagem (ou bighorn), o carneiro-de-dall e a cabra-das-montanhas-rochosas.

Rinocerontes do Mundo

Rinocerontes do Mundo

Rinocerontes do Mundo

Os rinocerontes fazem parte da ordem Perissodactyla (mamíferos de dedos ímpares) e da família Rhinocerotidae. Estão divididos em 4 gêneros e 5 espécies: Rinoceronte Branco (Ceratotherium simum)Rinoceronte de Sumatra (Dicerorhinus sumatrensis)Rinoceronte Negro (Diceros bicornis)Rinoceronte de Java (Rhinoceros sondaicus) e Rinoceronte Indiano (Rhinoceros unicornis).

Características dos Rinocerontes
Os Rinocerontes habitam desde savanas a florestas mais densas. São animais que possuem um ou dois cornos, estrutura de origem dérmica, composta por pelos queratinosos compactados. Possuem três dedos e uma pele grossa cheia de pregas, os dentes caninos e incisivos são vestigiais, exceto nos asiáticos. As fêmeas reproduzem a cada 2 anos, a gestação dura de 420 a 570 dias e seu único filhote permanece com ela até sua próxima gestação. Elas atingem a maturidade sexual entre 4 e 6 anos e os machos entre 7 e 10 anos e a expectativa de vida pode chegar aos 50 anos.

Rinocerontes do Mundo
Rinocerontes do Mundo


São animais herbívoros, na África alimentam-se mais de pastagem, enquanto na Ásia buscam folhas nas árvores. Possuem hábitos mais noturnos, descansando ao longo do dia. Apesar de pesados podem atingir grandes velocidades em pequenas distâncias e acabam abrindo trilhas por onde passam. Gostam de tomar banho de lama, usada como repelente de insetos e os machos são solitários e territorialistas, marcando seu território com urina e uma pilha de fezes. Durante a estadia reprodutiva os casais podem permanecer até 4 meses juntos.

Rinoceronte Branco (Ceratotherium simum)
Rinoceronte Branco (Ceratotherium simum)

Rinoceronte Branco (Ceratotherium simum)
A maior das espécies é dividida em duas subespécies: o rinoceronte branco do norte encontra-se em menos de uma dezena no Congo e em cativeiro, sendo inviável a reprodução natural entre eles. Há um projeto de transformar células tronco pluripotentes em gametas, para uma reprodução em laboratório. O Rinoceronte Branco do sul está por Botswana, Namíbia, Swazilândia, Zimbabue, Costa do Marfim, Quenia e Zambia. Os governos africanos tem mantido esta espécie em Parques Nacionais. Pesam até 4000 kg e alcançam até 3,77 metros de comprimento, sendo o segundo maior mamífero terrestre.

Rinoceronte de Sumatra (Dicerorhinus sumatrensis)
Rinoceronte de Sumatra (Dicerorhinus sumatrensis)


Rinoceronte de Sumatra (Dicerorhinus sumatrensis)
É a menor das espécies, está distribuída na Malásia e Indonésia. Pode pesar até 1000 kg e medir 145 cm do ombro para baixo.

Rinoceronte Negro (Diceros bicornis)
Rinoceronte Negro (Diceros bicornis)
Rinoceronte Negro (Diceros bicornis)
Rinoceronte Negro (Diceros bicornis)

Rinoceronte Negro (Diceros bicornis)
Difere do Branco por ter a boca com formato mais pontiagudo e são menores. Originalmente disperso por toda África, hoje encontrado apenas em Camarões, África do Sul e Quênia. São divididos em quatro subespécies que podem pesar até 1400 kg e medir 3,75 metros de comprimento. Muitos esforços têm sido feitos para diminuir a caça furtiva e isso tem gerado efeitos positivos no crescimento populacional de uma espécie criticamente ameaçada.

Rinoceronte de Java (Rhinoceros sondaicus)
Rinoceronte de Java (Rhinoceros sondaicus)
Rinoceronte de Java (Rhinoceros sondaicus)

Rinoceronte de Java (Rhinoceros sondaicus)
Restritos a dois Parques Nacionais na Ásia, com populações de algumas dezenas de animais é um dos mamíferos mais ameaçados do mundo. Foi extinto no Vietnã em 2010 e segue com uma pequena população que está suscetível a perda de diversidade genética, doenças e caça ilegal.
Rinoceronte Indiano (Rhinoceros unicornis)
Rinoceronte Indiano (Rhinoceros unicornis)
Rinoceronte Indiano (Rhinoceros unicornis)
Rinoceronte Indiano (Rhinoceros unicornis)

Rinoceronte Indiano (Rhinoceros unicornis)
Encontrado no Nepal e na Índia, pode pesar até 2000 kg. Esforços de conservação estão sendo tomados, como restringi-los a áreas protegidas. No Nepal, guardas parques e seguranças armados protegem estes animais. Tinha por volta de 100 indivíduos no início do séc. XX, hoje existem mais de 2500 indivíduos.

Todas as espécies sofrem com a caça predatória dos humanos, em busca de partes do seu corpo para a medicina tradicional popular. Acreditam que seu corno possui poderes curativos para diversas doenças e pode chegar a ser vendido por 65 mil dólares por kg na Ásia. As populações são pequenas em cada local de ocorrência, tornando-os suscetíveis à extinção.

Abutres do Mundo

Abutres do Mundo


Abutre é o nome vulgar das aves falconiformes (ou accipitriformes) , pertencentes à família Accipitridae, de hábitos necrofágicos, chamadas também de abutres-do-velho-mundo. Exteriormente, são semelhantes aos urubus e condores (os abutres-do-novo-mundo), mas estes pertencem à outra família.

Abutres do Mundo