CAATINGA - FLORA E FAUNA DO BIOMA CAATINGA

Tags

Caatinga -  Flora e Fauna da Caatinga

Fauna do Bioma CaatingaO bioma Caatinga é o principal ecossistema existente na Região Nordeste, ocupa mais de 75% de sua área, estendendo-se pelo domínio de climas semi-áridos, numa área de 80.000.000 ha, 6,84% do território nacional: ocupa os estados da Bahia, Ceará, Piauí, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Paraíba, Sergipe, Alagoas, Maranhão e o norte de Minas Gerais. Segundo o Censo 2000, cerca de 27 milhões de brasileiros vivem na região coberta pela Caatinga, em quase 800 mil km² de área. A irregularidade climática é um dos fatores que mais interferem na vida do sertanejo. O termo Caatinga é originário do tupi-guarani e significa “mata branca”.
Flora do Bioma Caatinga
Flora
A Caatinga apresenta três estratos: arbóreo ( 8 a 12 metros ), arbustivo ( 2 a 5 metros ) e o herbáceo ( abaixo de 2 metros ). A vegetação adaptou-se ao clima seco para se proteger. As folhas, por exemplo, são finas ou inexistentes. Algumas plantas armazenam água, como os cactos, outras se caracterizam por terem raízes praticamente na superfície do solo para absorver o máximo de chuva.

A Caatinga é dominada por tipos de vegetação com características xerofíticas – formações vegetais secas, que compõem uma paisagem cálida e espinhosa – com estratos compostos por gramíneas, arbustos e árvores de porte baixo ou médio ( 3 a 7 metros de altura ), caducifólias ( folhas que caem ), com grande quantidade de plantas espinhosas ( exemplo: leguminosas ), entremeadas de outras espécies como as cactáceas e as bromeliáceas.

Algumas plantas têm as folhas muito finas. Os espinhos dos cactos são o estremo deste tipo de folha. Outras têm sistema de armazenamento de água, como as barrigudas. Às vezes cobrem a superfície do solo, para capturar o máximo de água durante as chuvas leves. As espécies mais abundantes incluem a palma, palminha, quipá, mandacaru, xique-xique, coroa de frade, macambira, jurema, umbu, emburana, maniçoba, mimosa, catingueira, marmeleiro, canafístula, pata-de-vaca, perero, quixabeira, favela de galinha, burra leiteira, barriguda, mulungu, anjico, baraúna, aroeira e o juazeiro, uma das poucas que não perdem suas folhas durante a seca.

A Caatinga, conta com 318 espécies de plantas endêmicas, ou seja, que não são encontradas em outros ecossistemas. O número – quase o dobro citado no último levantamento do tipo, há dez anos – é uma das informações contidas no livro Vegetação e Flora da Caatinga que foi lançado em agosto de 2002, durante o qüinquagésimo terceiro Congresso Nacional de Botânica, no centro de convenções, em Olinda - Pernambuco.

As plantas endêmicas pertencem a 18 gêneros de 42 famílias botânicas distintas. A família mais bem representada na lista é a das leguminosas, com 80 plantas. Em seguida está a das cactáceas, com 41 espécies. Entre as cactáceas endêmicas estão o mandacaru ( Cereus Jamacaru ) e a coroa de frade (Melocáctus Oreas).


Fauna

As espécies da Caatinga somam mais de 4.230. A biodiversidade da Caatinga, no entanto, é a menos conhecida no um mundo. Levantamentos sobre a fauna do domínio da Caatinga revelam a existência de 41 espécies de lagartos, 7 espécies de anfibenídeos (espécies de lagartos sem pés), 45 espécies de serpentes, 4 de quelônios, uma de Crocodylia, 44 anfíbios anuros e uma de Gymnophiona.

Os níveis de endemismo também surpreenderam os pesquisadores. Das 48 espécies de lagartos e cobras-de-duas-cabeças (anfisbenas), 16 são somente encontradas na Caatinga. Isso equivale a um índice de quase 40% de endemismo. Reunindo anfíbios e répteis, o índice é de 15%. Há 148 mamíferos registrados para a Caatinga, 10 são endêmicos. O endemismo mais surpreendente, no entanto, é o dos peixes. A maioria é exclusiva da região.

Entre as aves, o índice de endemismo é menor. Das 348 espécies registradas apenas 15 são endêmicas. Em compensação, a Caatinga abriga 20 em risco de extinção, das quais duas estão entre as aves ameaçadas do mundo, a ararinha-azul (Cyanopsitta spixii) e a arara-azul-de-lear (Anodorhynchus leari). A primeira é exclusiva de Curaçá, na Bahia. A segunda, do Raso da Catarina, no mesmo estado.
Bioma Caatinga

Bioma Caatinga

Clima semi-árido com drenagens intermitentes. Conhecido como sertão nordestino, tem uma área de aproximadamente 736.836 mil quilômetros quadrados, 6,83% do território brasileiro, está distribuído pelos estados de Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Bahia, oeste do Maranhão e pequena parte do norte de Minas Gerais. É o principal ecossistema existente na Região Nordeste. Apesar de estar localizado em área de clima semi-árido, apresenta riqueza biológica e endemismo. A ocorrência de secas estacionais e periódicas estabelece regimes intermitentes aos rios e deixa a vegetação sem folhas. A folhagem das plantas volta a brotar e fica verde nos curtos períodos de chuvas.

Bioma CaatingaVegetação arbórea-arbustiva. Folhas pequenas, partidas ou pinadas, muitas vezes sensíveis. Extremo desenvolvimento da flora das cactáceas. Riqueza de espinhos. Xerófitas típicas. O solo é seco e duro, coberto de extensas aglomerações de bromeliáceas e cactáceas rasteiras. A composição da caatinga e de seus elementos varia de acordo com a qualidade do solo, do sistema fluvial, da topografia e das atividades de seus habitantes. (2) Nome indígena significando mata aberta, mata branca, mata clara. Revestimento florístico dominante nas regiões sertanejas do Nordeste brasileiro. (3) Palavra usada para vários tipos de vegetação no Brasil. (a) a vegetação espinhosa da região seca do Nordeste. Formas naturais são florestas baixas, floresta baixa aberta com escrube fechado e árvores baixas emergentes (o mais comum), escrube fechado (também comum) escrube aberto, savana de escrube; (b) floresta baixa, escrube fechado ou aberto, savana de escrube esparso, todos de composição florística especial, sobre areia branca podzolizada, no Nordeste da Amazônia (ACIESP, 1980). (4) Ecossistema formado por pequenas árvores e arbustos espinhosos esparsos que perdem as folhas durante o período de seca. Flora típica do Sertão Nordestino Brasileiro (ARRUDA et allii, 2001). (5) Vegetação característica do interior do Nordeste Brasileiro, que se extende do norte de Minas Gerais até o Maranhão, constituída de plantas de pequeno porte arbóreo, comumente espinhosas, que perdem as folhas no decorer de estação de seca prolongada, entre as quais se encontram numerosas plantas suculentas, onde predominam as cactáceas. (6) Tipo de vegetação brasileira característica do Nordeste, formada por espécies arbóreas espinhosas de pequeno porte, associadas a cactáceas e bromeliáceas. Designa também um dos biomas ou macroecossistemas brasileiros, situado no Semi-árido do Nordeste, rico em espécies vivas apesar da agressividade das condições do solo e da meteorologia. (7) Vegetação típica do Sertão Nordestino, composta por pequenas árvores e arbustos espinhosos, que perdem as folhas durante a seca. A vegetação é xerofítica, caducifoliar e aberta, bem adaptada para suportar a falta de água.

Bioma CaatingaEstima-se que 10% das espécies do planeta vivam em nossas paisagens. Infelizmente, essas paisagens vêm sendo consumidas por desmatamento, queimadas e poluição, provocados pela expansão irracional da agricultura, especulação imobiliária, assentamento de populações, exploração de madeiras tropicais e garimpo. O Brasil não possui recursos naturais inesgotáveis. A Mata Atlântica, que já perdeu 93% de sua área original, é o maior exemplo disso. Cobria mais de 1 milhão km2 e hoje está reduzida a menos de 100 mil km2. Essa ocupação predatória, que quase destruiu a Mata Atlântica, agora avança sobre o Cerrado e a Amazônia.

O mês é agosto e a temperatura do solo - muito seco - chega a 60oC. O sol forte acelera a evaporação da água das lagoas e rios que, nos trechos mais estreitos, secam e param de correr. O cenário árido é uma descrição da Caatinga - que na língua indígena quer dizer Mata Branca - durante o prolongado período de seca correspondente ao inverno. Quando chega o verão, as chuvas encharcam a terra e o verde toma conta da região. A Caatinga distribui-se pelos estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Bahia, sul-leste do Piauí e norte de Minas Gerais.

Os cerca de 20 milhões de brasileiros que vivem nos 800 mil km2 de Caatinga nem sempre podem contar com as chuvas de verão. Quando não chove, o homem do sertão e sua família sofrem muito. Precisam caminhar quilômetros em busca da água dos açudes. A irregularidade climática é um dos fatores que mais interferem na vida do sertanejo. Mesmo quando chove, o solo raso e pedregoso não consegue armazenar a água que cai e a temperatura elevada (médias entre 25Oc e 29oC) provoca intensa evaporação. Por isso, somente em algumas áreas próximas às serras, onde a abundância de chuvas é maior, a agricultura se torna possível. Na longa estiagem os sertões são, muitas vezes, semi-desertos nublados mas sem chuva. O vento seco e quente não refresca, incomoda. A vegetação adaptou-se ao clima para se proteger. As folhas, por exemplo, são finas, ou inexistentes. Algumas plantas armazenam água, como os cactos, outras se caracterizam por terem raízes praticamente na superfície do solo para absorver o máximo da chuva. Algumas das espécies mais comuns da região são a amburana, aroeira, umbu, baraúna, maniçoba, macambira, mandacaru e juazeiro.
Bioma Caatinga

A ocupação

O homem complicou ainda mais a dura vida no sertão. Fazendas de criação de gado começaram a ocupar o cenário na época do Brasil colônia. Os primeiros a chegar pouco entendiam a fragilidade da Caatinga, cuja aparência árida denuncia uma falsa solidez. Para combater a seca foram construídos açudes para abastecer de água os homens, seus animais e suas lavouras. Desde o Império, quando essas obras tiveram início, o governo prossegue com o trabalho. Os grandes açudes atraíram fazendas de criação de gado. Em regiões como o vale do São Francisco, a irrigação foi incentivada sem o uso de técnica apropriada e o resultado tem sido desastroso. A salinização do solo é, hoje, uma realidade. Especialmente na região, onde os solos são rasos e a evaporação da água ocorre rapidamente devido ao calor. A agricultura nessas áreas tornou-se impraticável. Outro problema é a contaminação das águas por agrotóxicos. Depois de aplicado nas lavouras, o agrotóxicos escorre das folhas para o solo, levado pela irrigação, e daí para as represas, matando os peixes. Nos últimos 15 anos, 40 mil km2 de Caatinga se transformaram em deserto devido a interferência do homem sobre o meio ambiente da região. As siderúrgicas e olarias também são responsáveis por este processo, devido ao corte da vegetação nativa para produção de lenha e carvão vegetal. O sertão nordestino é uma das regiões semi-áridas mais povoadas do mundo. A diferença entre a Caatinga e áreas com as mesmas características em outros países é que as populações se concentram onde existe água, promovendo um controle rigoroso da natalidade. No Brasil, entretanto, o homem está presente em toda a parte, tentando garantir a sua sobrevivência na luta contra o clima. Vegetação única. A Caatinga é coberta por solos relativamente férteis. Embora não tenha potencial madeireiro, exceto pela extração secular de lenha, a região é rica em recursos genéticos dada a sua alta biodiversidade. Por outro lado, o aspecto agressivo da vegetação contrasta com o colorido diversificado das flores emergentes no período das chuvas, cujo índice pluviométrico varia entre 300 e 800 milímetros anualmente. A Caatinga apresenta três estratos: arbóreos (8 a 12 metros), arbustivo (2 a 5 metros) e o herbáceo (abaixo de 2 metros). Contraditoriamente, a flora dos sertões, constituída por espécies com longa história de adaptação ao calor e à secura, é incapaz de reestruturar-se naturalmente se máquinas forem usadas para alterar o solo. A degradação é, portanto, irreversível na Caatinga. No meio de tanta aridez, a Caatinga surpreende com suas "ilhas de umidade" e solos férteis. São os chamados brejos, que quebram a monotonia das condições físicas e geológicas dos sertões. Nessas ilhas é possível produzir quase todos os alimentos e frutas peculiares aos trópicos do mundo. Um pouco de água Através de caminhos diversos, os rios regionais saem das bordas das chapada, percorrem extensas depressões entre os planaltos quentes e secos e acabam chegando no mar, ou engrossando as águas do São Francisco e do Parnaíba (rios que cruzam a Caatinga). Das cabeceiras até as proximidades do mar, os rios com nascente na região permanecem secos por cinco a sete meses do ano. Apenas o canal principal do São Francisco mantém seu fluxo através dos sertões, com águas trazidas de outras regiões climáticas e hídricas. Quando chove, no início do ano, a paisagem muda muito rapidamente. As árvores cobrem-se de folhas e o solo fica forrado de pequenas plantas. A fauna volta a engordar. Na Caatinga vive a ararinha-azul, ameaçada de extinção. Outros animais da região são o sapo-cururu, asa-branca, cotia, gambá, preá, veado-catingueiro, tatu-peba e o sagui-do-nordeste, entre outros. Os viajantes que desbravaram o interior do Brasil há décadas atravessaram extensas áreas cobertas por um tapete de gramíneas com arbustos e pequenas árvores retorcidas. A primeira impressão era de uma vegetação seca, marcada por queimadas. Mas, de perto, o Cerrado apresentava toda a sua beleza de flores exóticas e plantas medicinais desconhecidas da medicina tradicional como arnica, catuaba, jurubeba, sucupira e angico. Somava-se a isso uma grande variedade de animais. O equilíbrio desse sistema, cuja biodiversidade pode ser comparada à amazônica, é de fundamental importância para a estabilidade dos demais ecossistemas brasileiros.

www.megatimes.com.br