Sustentabilidade Natural, Econômica e Social

Sustentabilidade Natural, Econômica e Social


O termo sustentabilidade consiste na configuração das atividades humanas atuais (podendo até usar seu maior potencial) agindo de forma consciente, ou seja, não degradando o meio-ambiente, de modo que as futuras gerações usufruam da mesma qualidade de vida da nossa. O termo ainda é regido e deve possuir quatro pilares: ser economicamente correto, economicamente viável, socialmente justo e economicamente aceito.

O debate sobre o desenvolvimento sustentável está baseado no pressuposto de que as sociedades têm de gerir três tipos de capital: econômico, social e natural, que pode ser ou não substituíveis e cujo consumo pode ser irreversível. Daly (1991), por exemplo, aponta para o fato de que o capital natural não pode necessariamente ser substituído pelo capital econômico.

Sustentabilidade Natural, Econômica e SocialEmbora seja possível que possamos encontrar formas de substituir alguns dos recursos naturais, é muito mais provável que eles nunca poderão substituir o ecossistema de serviços, tais como a protecção fornecida pela camada de ozono, ou a função de estabilizar o clima floresta amazônica.

Na verdade o capital natural, capital social e capital econômico são frequentemente complementares. Um outro obstáculo à substituibilidade reside também na multi-funcionalidade de muitos recursos naturais. As florestas, por exemplo, não fornecem apenas a matéria-prima para o papel, que pode ser substituído facilmente, mas também mantem a biodiversidade, regula o fluxo de água e absorvem CO2.

Outro problema dos recursos naturais e capital social reside na sua deterioração parcial e irreversibilidade. A perda da biodiversidade, por exemplo, é frequentemente definida. O mesmo pode ser verdade para a diversidade cultural. Por exemplo, como a globalização avança rapidamente o número de línguas indígenas está caindo em taxas alarmantes.

Além disso, o esgotamento dos recursos naturais e capital social pode ter consequências não-linear. O consumo de recursos naturais e capital social pode não ter nenhum impacto observável até um certo limite ser atingido. Um lago, por exemplo, pode absorver nutrientes por um longo tempo, na realidade aumentar a sua produtividade, no entanto, depois de um certo nível de algas ser atingido a falta de oxigênio faz com que o ecossistema do lago possa quebrar de repente.

Créditos: http://planetadobem.blogspot.com/

http://www.megatimes.com.br

http://www.geografiatotal.com.br