Corredores Ecológicos ou Corredores de Biodiversidade

Corredores Ecológicos ou Corredores de Biodiversidade

Corredores Ecológicos ou Corredores de BiodiversidadeCorredores Ecológicos são áreas que unem os remanescentes florestais possibilitando o livre trânsito de animais e a dispersão de sementes das espécies vegetais. Isso permite o fluxo gênico entre as espécies da fauna e flora e a conservação da biodiversidade. Também garante a conservação dos recursos hídricos e do solo, além de contribuir para o equilíbrio do clima e da paisagem. Os corredores podem unir Unidades de Conservação, Reservas Particulares, Reservas Legais, Áreas de Preservação Permanente ou quaisquer outras áreas de florestas naturais.

O conceito de corredor ecológico é novo no Brasil mas sua aplicação é de extrema importância para a recuperação e preservação da Mata Atlântica, já que os remanescentes estão espalhados por milhares de pequenos e médios fragmentos florestais. Estes fragmentos são ilhas de biodiversidade que guardam as informações biológicas necessárias para a restauração dos diversos ecossistemas que integram o Bioma.

O que são corredores ecológicos?
Corredores Ecológicos , segundo o conceito original são áreas de ligação entre fragmentos florestais ou setores de alta diversidade biológica (protegidas ou não) que garantem uma conexão entre estas partes gerando configurações contínuas e lineares.

Atualmente, após a constatação de que a continuidade de habitats nem sempre é obtida por meio de formações lineares do tipo corredor, corredor ecológico pode ser entendido como uma ampliação da escala ou dos limites da área que se pretende conservar.

O desenvolvimento do sistema de corredores se deu com a constatação de que a manutenção de amostras de biodiversidade por meio de áreas protegidas que, em muitos casos, se tornavam verdadeiras "ilhas" em meio a regiões totalmente degradadas, é um fator limitante da conservação.

Esta realidade, não muito alentadora, levou à idéia de expansão da escala de conservação além dos limites da zona protegida que poderia vir a englobar outras regiões vizinhas e, se possível, ecossistemas inteiros. A partir daí o sistema de corredores ecológicos foi adotado para muitas áreas relevantes quanto à diversidade biológica.

Ibama cria corredor ecológico
Um workshop realizado no Ibama, com a participação de entidades ligadas à gestão do meio ambiente como a JICA ( Japan International Cooperation Agency ), CI ( Conservation International ),órgãos ambientais de Goiás e Tocantins, o Centro Brasileiro de Análise e Cooperação, o IBGE e a Embrapa definiu as áreas onde será implantado o corredor ecológico Paranã-Tocantins nos referidos estados. A criação de mais um Corredor Ecológico demonstra o avanço que este novo instrumento vem conquistando para um dos setores mais importantes da causa ambiental que é a conservação da biodiversidade.

O Corredor Paranã-Tocantins teve suas áreas escolhidas de forma consensual e foi o primeiro a obter o apoio de entidade internacional como a JICA. Na escolha levou-se em conta fatores relevantes quanto ao meio ambiente como os recursos hídricos, a diversidade biológica - ocorrência de espécies endêmicas (que existem exclusivamente na região) e em risco de extinção -, diversidade de paisagens e cultural. E fatores críticos, como poluição dos recursos hídricos, fragilidade institucional (ausência do estado), desorganização sócio-econômica (pobreza) e outras ações de degradação ambiental provocadas pelo homem.

A área no sentido sul-norte é demarcada principalmente pelos seguintes pontos: Ecomuseu do Cerrado - que tem Pirenópolis como o município mais conhecido - Distrito Federal (com destaque para as áreas do Parque Nacional e a Estação Ecológica de Águas Emendadas), Bacia do Rio Paranã , região de Pouso Alto/Chapada dos Veadeiros, região da APA Santa Tereza, região do Parque Estadual de Terra Ronca, região dos municípios de Mambaí e Posse e seguindo até o município de Peixe, em Tocantins.

Panamá luta contra corredor
Durante os últimos dois anos e meio, a Fundação para o Desenvolvimento da Liberdade Cidadã, uma ONG panamenha, vem lutando para deter um projeto que pode trazer graves danos para a Baia do Panamá. O projeto, que inclui a auto-estrada Corredor Sur , está sendo construído pela companhia mexicana ICA e é financiado pela Corporação Financeira Internacional (IFC). A parte mais negativa do projeto é o aterramento de parte da baia para loteamentos de luxo, o que, segundo especialistas independentes em Hidrologia da Philip Williams & Associates (PWA), com sede na poderá transformar a Baia do Panamá em um pântano de lodo fecal. Conforme os ambientalistas a Baia já está seriamente contaminada devido ao despejo de 40 milhões de toneladas de esgoto sem tratamento a cada ano.

Cientistas estudam Jalapão
(Agência Brasil - ABr) - O Jalapão , região localizada no extremo leste do estado de Tocantins, na divisa com os estados da Bahia, Maranhão e Piauí, será estudado por expedição científica e conservacionista que percorrerá a região por mais de um mês. O objetivo da expedição, composta por pesquisadores do Ibama, Universidade de Brasília (UnB), Conservation International e da organização Pesquisa e Conservação do Cerrado (Pequi), é realizar uma avaliação ecológica rápida, sobre botânica, fauna e espeologia , visando ao desenvolvimento dos projetos de ecorregiões , corredores ecológicos do Cerrado e gestão biorregional do Jalapão ". A região é considerada um ecótono - zona de transição entre os biomas Cerrado e Caatinga - abrangendo cerca de 30 municípios.

Zona
A criação do corredor poderá ter uma função de zona tampão e proporcionar uma maior proteção às áreas núcleo que são as unidades de conservação; permitir o deslocamento com maior segurança de populações de várias espécies (assegurando a conexão entre os diferentes grupos) e tendo como conseqüência um maior fluxo gênico e a manutenção da biodiversidade; valorizar e estimular atividades econômicas que têm sustentabilidade ambiental; elaboração de planos específicos de gestão ambiental para a área; entre outras

Os principais corredores ecológicos criados no Brasil são o de Itenez-Bolívia /Guaporé-Brasil, o do Atlântico Sul/SC e o da região do Araguaia/Bananal. Segundo o Coordenador do Programa de Conservação de Ecossistemas do Ibama, Moacir Arruda, a área elevada ao status de Corredor Ecológico não pode ser considerada como unidade de conservação, caso em que seria possível estabelecer restrições ao seu uso, mas se torna área prioritária para pesquisas e desenvolvimento de programas governamentais e de ONG's.

Desertos e DUNAS
Essa natureza praticamente intocada vem promovendo o crescimento do ecoturismo na região. O governo de Tocantins, já tentando disciplinar a ocupação turística, criou, no ano passado, a Área de Proteção Ambiental ( Apa ) e o Parque Estadual do Jalapão . O que mais chama a atenção na região são as gigantescas dunas formadas pela erosão da serra do Espírito Santo. São as únicas dunas existentes em região de Cerrado no Brasil. Há informações de que também existão cavernas e inscrições rupestres ainda não localizadas.

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco considera que a formação dos consórcios é um passo adiante para a execução das políticas de Meio Ambiente, entre elas a de resíduos sólidos. "O Meio Ambiente não tem fronteiras", enfatiza a secretária adjunta, lembrando que é importante mudar a cultura isolacionista dos municípios para a da cooperação e solidariedade. Outra área em que os consórcios poderão atuar é na do Saneamento Rural.

www.megatimes.com.br
www.klimanaturali.org