Arie Mata de Santa Genebra | SP


Área de Relevante Interesse Ecológico (Arie) Mata de Santa Genebra | SP

Área de Relevante Interesse Ecológico (Arie) Mata de Santa Genebra | SP
A Mata de Santa Genebra é um pedaço remanescente de Mata Atlântica localizado no município de Campinas, sendo a segunda maior floresta urbana do Brasil, atrás apenas da Floresta da Tijuca.

Possui uma área de 251,77ha, altitude média de 670 m e temperatura média de 20,6 °C.

É uma floresta semidecídua e declarada ARIE (Área de Relevante Interesse Ecológico) pelo Governo Federal.

Flora
A Mata é formada por 85% de floresta semidecídua e 15% de mata de brejo ou floresta higrófila. Existem algumas clareiras, causadas pela retirada de maneira nobre que houve no passado, mas a maioria delas já foram recuperadas.

As árvores em geral são bem altas, contendo espécies que alcançam até mais de 25 metros, como o jequitibá-rosa, a peroba-rosa e o jatobá.

De estatura média, com 15 a 18 metros de altura, existem diversas espécies como o jequitibá-branco, cedro rosa, pau-marfim e as figueiras. Abaixo disso ainda há um estrato, entre 5 a 12 metros, contendo 5 famílias predominantes: Meliaceae, Rutaceae, Rubiaceae, Euphorbiaceae e Myrtaceae. Abaixo disso, existe ainda um estrato herbáceo-arbustivo razoavelmente denso.

Ainda é possível encontrar epífitas, como orquídeas e bromélias, nas copas de grandes árvores das áreas mais preservadas. Nas áreas de floresta higrófila, a vegetação é característica de locais com alta umidade, limitando a quantidade de espécies. A floresta é mais baixa, com 10 a 12 metros de altura, e muito densa. Muitas das espécies possuem adaptações às condições de umidade, como raízes adventícias e lenticelas no caule.

Fauna
Arie Mata de Santa Genebra | SPA Mata apresenta uma fauna bem rica, apesar de estudos mostrarem o desaparecimento de alguns animais, como a paca e a cutia. Vertebrados como o macaco-prego, o bugio e o esquilo habitam a mata, além de alguns marsupiais, vários morcegos e outros mamíferos de pequeno porte. Foram identificadas quatro espécies de predadores: o cachorro-do-mato, gato-mourisco, mão-pelada e o furão. Quanto às aves, já foram catalogadas mais de 150 espécies, as mais comuns sendo o tiê-do-mato-grosso, a rendeira e o tangará. Entre os répteis, foram registradas 21 espécies de cobras, como a jararaca e dormideira, além de alguns lagartos. Existem também muitos artrópodes e aracnídeos, destacando-se as borboletas e mariposas, alvos de muitos estudos no Borboletário mantido pela Fundação.

www.megatimes.com.br