AQUECIMENTO GLOBAL AMEAÇA CORAIS DO BRASIL

A elevação na temperatura das águas, provocada pelo aquecimento global, ameaça espécies de corais que só existem no litoral brasileiro. Das 40 espécies de corais encontradas nos recifes do litoral brasileiro, 20 são encontradas apenas no país.

Na sede do Projeto Coral Vivo, em Arraial da Ajuda, Bahia, o fenômeno conhecido como branqueamento aconteceu até com os corais criados nos tanques de pesquisa. Começou em março, depois de dois meses com a água muito mais quente do que a média na maior parte da costa brasileira.

E foi o maior já registrado no Brasil em uma faixa de 2,5 mil quilômetros, do Rio Grande do Norte até a baía da Ilha Grande, no Rio de Janeiro. Ele acontece porque algumas espécies de corais precisam de microalgas para viver. As algas se instalam na segunda camada da pele do coral. Como todas as plantas, elas fazem fotossíntese, isto é: obtêm energia da luz do sol. O que sobra, doam ao coral em troca de abrigo.

Mas quando a temperatura da água está acima do normal na região, as algas produzem água oxigenada, que é tóxica para o coral. Para se proteger, ele as expulsa. E sem elas o esqueleto branco fica visível.

“Dependendo da intensidade e da duração do fenômeno, eles podem morrer sim, como já aconteceu em muitos oceanos, como no Índico, e no Caribe, onde recifes foram praticamente dizimados depois de eventos de branqueamento”, diz o biólogo Clóvis Barreira e Castro.

O Recife de Fora é um dos mais conservados do Brasil. Na maré baixa, a ponta fica a apenas um metro de profundidade. Estes são os mais estudados do Brasil.

Há sete anos, o Projeto Coral Vivo acompanha a saúde de mais de 30 espécies de corais e de todas as formas de vida que surgem ao redor deles.

O recife foi completamente mapeado, e os cientistas conhecem onde vive cada tipo de coral que cresce nele. O pesquisador Gustavo Duarte leva um equipamento para medir a fotossíntese que ocorre dentro do coral.

“É um diagnóstico da saúde do coral. Ele é análogo ao ultrassom, no entanto, ele usa a luz. “Temos visto que depois que ocorre o aquecimento, a fotossíntese acaba sendo prejudicada sensivelmente. Acima de 31ºC, a fotossíntese cessa completamente”, explic.

Não é preciso ser especialista para identificar o branqueamento. Colônias inteiras de coral-de-fogo, que provoca queimadura se tocado, agora estão brancas. Em alguns pontos do recife, eles já estão morrendo.

A espécie de coral cérebro só existe no Brasil. E é a que mais sofreu com o branqueamento. Muitas colônias ainda registram um nível pequeno de fotossíntese, o que significa que ainda têm chance de se recuperar. Outra espécie exclusiva do Brasil parece mais resistente. Poucas colônias tem as pontas esbranquiçadas.

Esse estrago foi provocado pelo El Niño, o aquecimento das águas do Pacífico que influencia também a temperatura do Atlântico e tem sido cada vez mais forte.

“A recomendação é que você diminua os estresses extra-mudança climática global sobre as comunidades de corais. Evitar sobrepesca, turismo desordenado, poluição química, poluição de esgotos, recuperar as matas ciliares para diminuir a quantidade de sedimentos que vai para os mares. Com isso, os recifes podem ter uma possibilidade de sobrevivência em um prazo mais longo”, orienta o biólogo Clóvis Barreira e Castro.

Aquecimento Global deve Diminuir Tamanho de Peixes

As mudanças climáticas e o aquecimento dos oceanos devem levar gerações de peixes a diminuírem de tamanho com o tempo, aponta uma pesquisa da Universidade de British Columbia, no Canadá. Os cientistas usaram modelos de computador para estudar mais de 600 espécies pelo mundo e descobriram que o tamanho máximo que os peixes alcançam pode ser reduzido de 14% a 20% até 2050.

Os mares na região tropical devem ser os mais afetados, segundo o estudo, publicado na revista "Nature Climate Change" do domingo (30 de setembro de 2012).

A redução de tamanho ocorrerá porque, além de mais quentes, os oceanos deverão ter menos oxigênio dissolvido. O cientista William Cheung, um dos autores da pesquisa e professor na universidade, afirmou ter ficado surpreso com um "encolhimento" tão grande obtido nos modelos que projetam gerações futuras de peixes.

Os peixes marinhos são conhecidos por responder ao aquecimento global mudando suas rotas migratórias, aponta o pesquisador. Mas o efeito de redução do tamanho do corpo nas gerações de peixes "sugere que não estamos entendendo uma grande peça do quebra-cabeças da mudança climática nos oceanos", disse o cientista no estudo.

É um "desafio constante" para as espécies de peixes obter mais oxigênio na água para crescer, e a situação fica pior quanto maior o animal, apontam os pesquisadores. Eles ponderam que é necessário reduzir a emissão de gases-estufa e criar estratégias para monitorar as mudanças que já estão acontecendo nos oceanos, ou pode haver grave risco tanto para os animais quanto para a prática de pesca no mundo.

Fonte: G1