Rinocerontes do Mundo

Rinocerontes do Mundo

Rinocerontes do Mundo

Os rinocerontes fazem parte da ordem Perissodactyla (mamíferos de dedos ímpares) e da família Rhinocerotidae. Estão divididos em 4 gêneros e 5 espécies: Rinoceronte Branco (Ceratotherium simum)Rinoceronte de Sumatra (Dicerorhinus sumatrensis)Rinoceronte Negro (Diceros bicornis)Rinoceronte de Java (Rhinoceros sondaicus) e Rinoceronte Indiano (Rhinoceros unicornis).

Características dos Rinocerontes
Os Rinocerontes habitam desde savanas a florestas mais densas. São animais que possuem um ou dois cornos, estrutura de origem dérmica, composta por pelos queratinosos compactados. Possuem três dedos e uma pele grossa cheia de pregas, os dentes caninos e incisivos são vestigiais, exceto nos asiáticos. As fêmeas reproduzem a cada 2 anos, a gestação dura de 420 a 570 dias e seu único filhote permanece com ela até sua próxima gestação. Elas atingem a maturidade sexual entre 4 e 6 anos e os machos entre 7 e 10 anos e a expectativa de vida pode chegar aos 50 anos.

Rinocerontes do Mundo
Rinocerontes do Mundo


São animais herbívoros, na África alimentam-se mais de pastagem, enquanto na Ásia buscam folhas nas árvores. Possuem hábitos mais noturnos, descansando ao longo do dia. Apesar de pesados podem atingir grandes velocidades em pequenas distâncias e acabam abrindo trilhas por onde passam. Gostam de tomar banho de lama, usada como repelente de insetos e os machos são solitários e territorialistas, marcando seu território com urina e uma pilha de fezes. Durante a estadia reprodutiva os casais podem permanecer até 4 meses juntos.

Rinoceronte Branco (Ceratotherium simum)
Rinoceronte Branco (Ceratotherium simum)

Rinoceronte Branco (Ceratotherium simum)
A maior das espécies é dividida em duas subespécies: o rinoceronte branco do norte encontra-se em menos de uma dezena no Congo e em cativeiro, sendo inviável a reprodução natural entre eles. Há um projeto de transformar células tronco pluripotentes em gametas, para uma reprodução em laboratório. O Rinoceronte Branco do sul está por Botswana, Namíbia, Swazilândia, Zimbabue, Costa do Marfim, Quenia e Zambia. Os governos africanos tem mantido esta espécie em Parques Nacionais. Pesam até 4000 kg e alcançam até 3,77 metros de comprimento, sendo o segundo maior mamífero terrestre.

Rinoceronte de Sumatra (Dicerorhinus sumatrensis)
Rinoceronte de Sumatra (Dicerorhinus sumatrensis)


Rinoceronte de Sumatra (Dicerorhinus sumatrensis)
É a menor das espécies, está distribuída na Malásia e Indonésia. Pode pesar até 1000 kg e medir 145 cm do ombro para baixo.

Rinoceronte Negro (Diceros bicornis)
Rinoceronte Negro (Diceros bicornis)
Rinoceronte Negro (Diceros bicornis)
Rinoceronte Negro (Diceros bicornis)

Rinoceronte Negro (Diceros bicornis)
Difere do Branco por ter a boca com formato mais pontiagudo e são menores. Originalmente disperso por toda África, hoje encontrado apenas em Camarões, África do Sul e Quênia. São divididos em quatro subespécies que podem pesar até 1400 kg e medir 3,75 metros de comprimento. Muitos esforços têm sido feitos para diminuir a caça furtiva e isso tem gerado efeitos positivos no crescimento populacional de uma espécie criticamente ameaçada.

Rinoceronte de Java (Rhinoceros sondaicus)
Rinoceronte de Java (Rhinoceros sondaicus)
Rinoceronte de Java (Rhinoceros sondaicus)

Rinoceronte de Java (Rhinoceros sondaicus)
Restritos a dois Parques Nacionais na Ásia, com populações de algumas dezenas de animais é um dos mamíferos mais ameaçados do mundo. Foi extinto no Vietnã em 2010 e segue com uma pequena população que está suscetível a perda de diversidade genética, doenças e caça ilegal.
Rinoceronte Indiano (Rhinoceros unicornis)
Rinoceronte Indiano (Rhinoceros unicornis)
Rinoceronte Indiano (Rhinoceros unicornis)
Rinoceronte Indiano (Rhinoceros unicornis)

Rinoceronte Indiano (Rhinoceros unicornis)
Encontrado no Nepal e na Índia, pode pesar até 2000 kg. Esforços de conservação estão sendo tomados, como restringi-los a áreas protegidas. No Nepal, guardas parques e seguranças armados protegem estes animais. Tinha por volta de 100 indivíduos no início do séc. XX, hoje existem mais de 2500 indivíduos.

Todas as espécies sofrem com a caça predatória dos humanos, em busca de partes do seu corpo para a medicina tradicional popular. Acreditam que seu corno possui poderes curativos para diversas doenças e pode chegar a ser vendido por 65 mil dólares por kg na Ásia. As populações são pequenas em cada local de ocorrência, tornando-os suscetíveis à extinção.