Tubarão Martelo | Características Gerais do Tubarão Martelo

Tubarão Martelo | Características Gerais do Tubarão Martelo

Tubarão Martelo | Características Gerais do Tubarão Martelo

Sphyrna zygaena
Ordem: Carchariniformes

Sem dúvida, uma das espécies de tubarões mais emblemáticas são os tubarões-martelo. Eles são facilmente identificáveis pela sua cabeça em forma de martelo. Há cerca de dez espécies de tubarões-martelo espalhados pelo mundo inteiro, algumas das quais atingem até mais de 6 metros de comprimento. Existem relatos de ataques a seres humanos feitos por esta espécie.

Tubarão Martelo | Características Gerais do Tubarão Martelo
O tubarão-martelo é uma das espécies mais comuns, eles formam grandes cardumes que habitam águas pouco profundas. Ninguém sabe por que a cabeça do tubarão-martelo evoluiu para este curioso formato. Para alguns biólogos, este formato lhes proporciona uma vantagem sensorial na localização de presas, enquanto outros acreditam que ajuda a manter o tubarão em estado de equilíbrio flutuante dentro da água. As barbatanas de tubarão-martelo constituem uma iguaria muito apreciada na Ásia oriental, embora a extração de barbatanas de tubarão-martelo e de outros tubarões seja proibida em muitos países.

Tubarão Martelo | Características Gerais do Tubarão MarteloTamanho máximo: 5,5 m / 400 kg

Distribuição: Águas temperadas do mundo inteiro, do sul do Canadá ao Chile e Nova Zelândia.

Dieta: Peixes, crustáceos e cefalópodes.

Reprodução: Vivíparos. Entre 20 e 40 crias por ninhada.

Tubarão Martelo | Características Gerais do Tubarão Martelo
Características: cabeça em forma de martelo, com perfil anterior quase reto e com etalhe mediano pronunciado, com duas grandes extensões planas e laterais que dão-lhes força hidrodinâmica ascensional, permitindo-lhes girar com mais rapidez que outros tubarões. Essa forma da cabeça é um passo além na evolução dos tubarões, com vários fins, como na orientação, na locomoção (como profundor), na localizaçào de presas pelo "cheiro" (as narinas são distantes entre si) e ainda pela maior quantidade de Ampolas de Lorenzini que acomodam, o que lhes possibilita perceber melhor campos magnéticos emitidos pelas presas. Focinho curto, boca moderadamente larga e curva. Olhos posicionados no final de cada extensão lateral da cabeça. Muito comuns. Nadadeira pélvica com margem posterior quase reta. N adadeira dorsal muito grande e pontiaguda. Dentes são triangulares a afiados. Coloração olivácea a marrom-acinzentado, mais claro no flanco e brancacento no ventre. Ponta internas das nadadeiras peitorais escurecidas a negras. Atinge 6 m de comprimento.

Habitat: áreas costeiras e estuarinas, recifes rasos, geralmente perto do fundo.

Ocorrência: toda a costa brasileira.

Hábitos: geralmente solitários quando muito grandes, mas podem viver em grupos e mesmo formar gigantescos cardumes migratórios. Existe hierarquia nos grupos, com domínio do macho maior. No mar aberto, sobem de centenas de metros para a superfície com relativa rapidez, em busca de presas. São considerados perigosos com vários ataques a humanos documentados.

Alimentação: predador voraz, se alimenta de peixes, pequenos tubarões, lulas, polvos, crustáceos bentônicos, raias e pratica o canibalismo. Tem preferência por espécies cartilaginosas, sendo um predador ativo dos peixes presos nas redes de pesca.

Reprodução: vivíparo, gerando de 20 a 40 crias por gestação que medem aproximadamente 70 cm de comprimento ao nascerem. A maturidade sexual se manifesta quando alcançam 2 m de comprimento.

Predadores naturais
: tubarões maiores.

Ameaças: poluição, destruição do habitat e pesca predatória.

Tubarão Martelo | Características Gerais do Tubarão Martelo
Família: Sphyrnidae
Gênero: Sphyrna

O tubarão-martelo (Sphyrna spp.) é um gênero de tubarão, característico pelas projecções existentes em ambos os lados da cabeça, onde se localizam os olhos e as narinas.

O tubarão-martelo é um predador agressivo que consome peixes, cefalópodes, raias e outros tubarões. Ocorre em áreas temperadas e quentes de todos os oceanos em zonas de plataforma continental. São animais gregários que se deslocam em cardumes que podem atingir 100 exemplares.

Tubarão Martelo | Características Gerais do Tubarão MarteloTubarão Martelo | Características Gerais do Tubarão Martelo
O ritual de acasalamento do tubarão martelo é muito violento, onde o macho persegue e morde a fêmea até esta aceder aos avanços. A fecundação é interna e os ovos são incubados dentro do corpo da fêmea ao longo de 10 a 12 meses, até esta dar à luz cerca de 12 a 15 juvenis totalmente formados. A espécie não presta cuidados parentais às crias.

O formato aero-dinâmico lhe proporciona uma maior velocidade na hora de girar a cabeça. E também porta um maior numero de ampolas de Lorenzini, que tem a função de detectar campos magnéticos tão minúsculos quanto o batimento cardíaco de pequenos peixes.

Espécies

* Sphyrna lewini
* Sphyrna mokarran
* Sphyrna zygaena
* Sphyrna couardi
* Sphyrna corona
* Sphyrna media
* Sphyrna tiburo
* Sphyrna tudes

Status de conservação
Os martelos são os tubarões mais ameaçados de extinção. A população em 2003 correspondia a apenas 10% do número estimado de animais em 1986, ano em que os registros populacionais começaram a ser efetuados.

www.megatimes.com.br

Guaivira (Oligoplites saurus)


Guaivira (Oligoplites saurus)


Guaivira (Oligoplites saurus)Características: também conhecida como salteira. Corpo alongado, estreito e comprido, espinhos anteriores curtos, maiores e mais evidentes nos jovens, maxilares grandes e estreitos com uma única série de dentes no superior e com o perfil do inferior muito convexo. Parte posterior da dorsal e anal formada por raios praticamente isolados, quase como pínulas. Escamas embebidas na pele, dando a esta uma aparência muito macia. P ossui bela coloração prateada, com alguns nuances em seu dorso que variam do azul ao verde. Ventre e flancos freqüentemente dourados. Sua cauda é bem amarela. Pode alcançar 60 cm de comprimento e peso em torno de 2 kg . Suportam muito bem grandes variações de salinidade e gostam de acompanhar as marés, que revolvem o fundo, buscando comida.

Habitat: peixe costeiro, freqüenta mangues, estuários, canais, praias e regiões próximas de ilhas e pontas de pedras, da superfície ao fundo . Quando na superfície saltam fora da água, em perseguição a peixes menores. Os jovens são vistos flutuando na superfície, com a cabeça para baixo, lembrando folhas de mangue, em disfarce evidente, mesmo que não haja detritos na área.

Guaivira (Oligoplites saurus)
Guaivira (Oligoplites saurus)
Guaivira (Oligoplites saurus)

Ocorrência: todo o litoral do Brasil.

Hábitos: forma grandes cardumes ou grupos moderados.

Alimentação: pequenos peixes, lulas e crustáceos. Há relatos de que os jovens desta e das demais espécies do gênero se alimentam de escamas de peixes maiores.

Reprodução: pela presença comum de jovens em águas estuarinas e canais de mangue admite-se que a sua reprodução ocorra em tais áreas e não em mar aberto.

Ameaças: poluição e destruição do habitat.


www.megatimes.com.br
www.geografiatotal.com.br
www.klimanaturali.org

Ratos e Ratazanas

Ratos e Ratazanas

Ratos e Ratazanas
Os Ratos e Ratazanas são roedores comensais são mamíferos de hábitos alimentares omnívoros que têm como principal característica, fortes dentes incisivos que crescem continuamente. O ato de roer ajuda a desgastá-los. Dentes caninos e pré - molares são inexistentes, havendo no local um espaço denominado diastema, que lhes permite roer materiais não alimentares sem colocá-los na boca. 

Eles têm hábito noturno e necessitam de habilidades sensoriais especiais para se moverem livremente, encontrarem alimento e fugirem de predadores no escuro. O olfacto, por exemplo, é bem desenvolvido. Por onde passam, deixam odores que servem para a orientação de outros indivíduos da colônia. 

Os roedores comensais têm alta taxa reprodutiva, rápida maturação sexual e grande número de filhotes por gestação, porém o crescimento populacional pode ser limitado por diversos factores, nomeadamente a disponibilidade de alimentos. Para controlar os roedores, além do uso de raticidas é necessário eliminar os meios de sobrevivência através do saneamento ambiental. 

Rattus norvegicus
Ratazanas 
Rattus norvegicus possuem pelos ásperos, patas com membranas interdigitais, orelhas pequenas e arredondadas e olhos pequenos em relação ao resto da cabeça. Estes roedores são ótimos nadadores e escavadores que vivem em tocas perfuradas na terra ou em locais protegidos juntos a estruturas de concreto. Geralmente são encontrados nas beiras de córregos e rios, rede de esgoto e fluviais, depósitos de lixo, etc. Várias tocas podem se comunicar, formando um complexo de túneis para a movimentação dos roedores. Estes roedores vivem em grandes grupos e possuem um raio de ação de aproximadamente 30 a 45 metros em relação ao abrigo. Podem subir ou saltar, mas não são tão habilidosos para escalar quanto os outros tipos de roedores comensais. Seus hábitos alimentares são omnívoros, mas preferem cereais, carnes e lixo caseiro. Atingem a maturidade sexual entre dois a três meses de vida e podem viver por aproximadamente dois anos. Cada fêmea, durante toda a sua vida pode ter de 38 a 114 filhotes. 

Rattus rattus

Ratos 
Rattus rattus possuem olhos e orelhas grandes e salientes em relação à cabeça e patas com calos estriados e sem membranas interdigitais. A grande cauda auxilia no equilíbrio já que têm grande capacidade para escalar. São também bons nadadores. Geralmente vivem em lugares altos, mas também podem ser encontrados junto ao solo, onde não existem ratazanas. Seus hábitos alimentares são omnívoros, mas preferem cereais em grãos, frutos e vegetais. Estes roedores vivem em pequenas colônias e só formam grandes grupos em condições especiais como em lixeiras. Apresentam um raio de ação de aproximadamente 30 a 60 metros em relação ao abrigo. Atingem a maturidade sexual entre dois e três meses de vida e podem viver por aproximadamente um ano e meio. Cada fêmea, durante toda a sua vida pode ter de 18 a 70 filhotes.

Espécies de ratos e ratazanas:

Ratazana Comum
Rato negro
Rato Doméstico
Rato do Campo
Rato do campo de pescoço amarelo
Rato toupeiro de barragens
Rato toupeiro
Rato da Água

Bovídeos (Bovidae)

Bovídeos (Bovidae)

Bovídeos (Bovidae)

Os Bovídeos (Bovidae) constituem uma família de mamíferos ruminantes, à qual pertencem animais domésticos como ovelha, cabra, boi e selvagens como os antílopes e bisontes. A família está bem distribuída geograficamente, sendo ausente apenas na Austrália, e ocupa habitats diversos. Os bovídeos são animais herbívoros cujos ancestrais surgiram no Miocênico.

Os maiores bovídeos pesam mais de 1 tonelada e medem mais de 2 metros de altura do ombro; os menores pesam aproximadamente 3 quilogramas e não são mais altos do que um gato doméstico grande. Alguns são encorpados e musculosos, outros são leves e com pernas longas. Muitas espécies congregam-se em grupos grandes com estruturas sociais complexas, mas outras são na maioria do tempo solitários. Dentro de sua distribuição geográfica, ocupam uma grande variedade de habitats, do deserto à tundra e da floresta tropical densa às montanhas elevadas.

Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)

A maioria de membros da família é herbívora (as exceções são os duikers, que são onívoros). Todos os bovídeos têm um estômago tetra-compartimentado que permite que a maioria deles digira alimentos que são demasiadamente baixos em nutrientes para muitos outros animais. Nenhum animal pode digerir diretamente a celulose: como (por exemplo) cangurus e cupins, esses animais (inclusive os bovídeos) possuem bactérias no estômago para quebrar a celulose por fermentação.

Por causa do tamanho e do peso de seus sistemas digestivos complexos, muitos bovídeos têm uma configuração sólida, já os membros mais graciosos da família tendem a ter dietas mais seletivas, ao invés de pastarem. Seus dentes caninos estão ausentes ou modificados para servirem de incisivos extras. Eles também possuem um casco com dois dedos e todos os machos (e muitas fêmeas) têm chifres, sendo que o tamanho e a forma variam extremamente, mas a estrutura básica é sempre uma única saliência óssea sem filiais e coberta de queratina.

A família é conhecida através de registros fósseis do início do Mioceno. O maior número de bovídeos modernos é encontrado na África, com substanciais populações, mas menos diversas na Ásia e América do Norte. Pensa-se que muitas da espécie do bovídeos, que evoluíram na Ásia, eram incapazes de sobreviver ao advento repentino de um predador novo e estranho (seres humanos que vieram da África no Pleistoceno tardio), já as espécies africanas, tiveram muitos milhares dos anos, talvez dos alguns milhões, para se adaptar gradualmente ao desenvolvimento de habilidades humanas de caça. É notável que muitas das espécies de bovídeos de origem asiática (bodes, bois, carneiros, búfalos-de-água, iaque) foram domesticados, acredita-se que os bovídeos asiáticos tiveram menos medo dos seres humanos e eram mais dóceis.

Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)
Bovídeos (Bovidae)

O número pequeno de bovídeos americanos modernos chegaram relativamente recentes pela ponte de terra de Beringia. São o bisonte, o carneiro-selvagem (ou bighorn), o carneiro-de-dall e a cabra-das-montanhas-rochosas.