Jenipapo (Genipa americana) | Fruto do Jenipapeiro

Jenipapo (Genipa americana) | Fruto do Jenipapeiro 

Jenipapo (Genipa americana) | Fruto do Jenipapeiro

Jenipapo (Genipa americana) | Fruto do Jenipapeiro Ocorrência: desde o Amazonas até São Paulo.

Outros nomes: jenipapo, jenipá, jenipapinho, janipaba, janapabeiro, janipapo, janipapeiro.

Características: árvore elegante de médio a grande porte com 8 a 14 m de altura. Copa ramificada e bastante frondosa, com galhos pendentes e fracos. Folhas simples, opostas cruzadas, pecíolos curtos, obovadas até oblongas, ápice afilado ou arredondado, base estreita, sub-coriácea, glabras, com até 35 cm de comprimento. Flores grandes, hermafroditas, na forma de tubos longo, com 5 pétalas, brancas logo que se abrem passando a amareladas, levemente aromáticas, reunidas em grupos terminais axilares, às vezes poucas ou apenas uma flor. Fruto baga, globosa, grande, entre 8 a 12 cm de comprimento e 6 a 9 cm de diâmetro, amarelada quando madura, aromática, com polpa delicada, de coloração vinosa-escura e sabor adocicado, com numerosas sementes pardas e achatadas. Os frutos são dispersos pela fauna silvestre e também pela água dos rios. As sementes medem 0,5 cm e são de coloração marron claro. Um Kg contém entre 14.000 e 20.000 sementes.

Jenipapo (Genipa americana) | Fruto do Jenipapeiro Habitat: em várias formações florestais, principalmente aquelas situadas em várzeas úmidas ou encharcadas, pois vegeta melhor onde há abundância de água no solo.

Propagação: sementes.

Madeira: relativamente pesada, forte, bastante flexível, fácil de trabalhar e de longa durabilidade quando não exposta ao solo e à umidade.

Utilidade: espécie de ampla utilização, tanto pela madeira usada em construção civil e naval, marcenaria, na confecção de estatuetas, gamelas, raquetes, cabos, ferramentas e colheres de pau e extrativos químicos tintoriais empregados em tecidos, artefatos de cerâmica e tatuagem. Os frutos são usados na alimentação humana, no tratamento de anemias, nas fraquezas em geral, do fígado e baço e escorbuto, provocando ligeiro efeito diurético. A raíz é purgativa e a emulsão das sementes piladas constitui um vomitório rápido e energético. Ácido para ser consumido ao natural, mas utilizado como matéria-prima alimentícia de doce, licor, xarope, vinho e quinino.

Florescimento: outubro a dezembro.

Frutificação: janeiro a março.

www.megatimes.com.br
www.geografiatotal.com.br