Pássaros e Aves da Família Thamnophilidae

Pássaros Papa-Formigas, Mãe-de-Toca, Chororós e Chorós, Aves da Família Thamnophilidae

Mãe-de-Toca (Phlegopsis nigromaculata)
Mãe-de-Toca (Phlegopsis nigromaculata)

Mãe-de-Toca (Phlegopsis nigromaculata)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Phlegopsis nigromaculata
Comprimento: 17 a 18,5 cm
Peso: 43 g.

A Mãe-de-Toca (Phlegopsis nigromaculata) é uma ave presente na Amazônia brasileira em toda a região ao sul do Rio Amazonas, estando ao norte apenas no Estado do Amapá. Encontrada também na Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. É relativamente comum, principalmente no sub-bosque de florestas úmidas de terra firme, em algumas áreas ocorrendo também na várzea. Vive em pares ou em grupos familiares, como "seguidora profissional" de formigas-de-correição, sendo encontrada longe destas apenas eventualmente. Mesmo em grupos, os membros de um casal costumam andar próximos. Vão até o chão ou balançam folhas em busca de presas. Conhecida também como mãe-de-taoca-pintada.
Mãe-de-Toca-Dourada (Skutchia borbae)
Mãe-de-Toca-Dourada (Skutchia borbae)

Mãe-de-Toca-Dourada (Skutchia borbae)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Skutchia borbae
Comprimento: 17 cm.

A Mãe-de-Toca-Dourada (Skutchia borbae) é uma ave encontrada exclusivamente no Brasil, na Amazônia, entre a margem direita do Rio Madeira e a margem esquerda do Rio Tapajós, estendendo-se para sul até a cidade de Aripuanã, no norte do Mato Grosso. É rara, estando presente apenas no sub-bosque de florestas úmidas de terra firme da pequena região onde ocorre. Espécie bastante tímida. Considerada "seguidora profissional" de formigas-de-correição. Vive aos pares ou em pequenos grupos. Alimenta-se de aranhas e insetos afugentados pelas formigas, as quais acompanha de poleiros verticais a pouca distância do chão. Apanha suas presas no solo, onde às vezes permanece por algum tempo, retornando em seguida para poleiros próximos.

Mãe-de-Taoca-Cabeçuda (Rhegmatorhina melanosticta)
Mãe-de-Taoca-Cabeçuda(Gymnopithys rufigula)

Mãe-de-Taoca-Cabeçuda (Gymnopithys rufigula)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Gymnopithys rufigula
Comprimento: 15 cm.

A ave Mãe-de-Taoca-Cabeçuda (Gymnopithys rufigula) presente na Amazônia brasileira ao norte do Rio Amazonas, na região compreendida entre o Rio Negro e o Estado do Amapá. Encontrada também nas Guianas e Venezuela. É comum no sub-bosque de florestas úmidas de terra firme, onde segue com regularidade formigas-de-correição, em busca de insetos, aranhas e outras pequenas presas afugentadas por estas. Costuma ficar pousado em ramos verticais próximos às formigas, indo ao chão apenas rapidamente para apanhar alguma presa. A plumagem do macho e da fêmea difere somente na cor de uma mancha presente nas costas, entre as asas, a qual é branca no macho e marrom-ferrugíneo na fêmea. Conhecida também como mãe-de-taoca-de-garganta-vermelha.
Mãe-de-Taoca-Cabeça-Ferrugem (Gymnopithys rufigula)
Mãe-de-Taoca-Cabeça-Ferrugem
 (Gymnopithys rufigula)

Mãe-de-Taoca-Cabeçuda-Ferrugem (Rhegmatorhina melanosticta)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Rhegmatorhina melanosticta
Comprimento: 15 cm.

A ave Mãe-de-Taoca-Cabeça-Ferrugem (Gymnopithys rufigula) está presente no Brasil apenas no oeste da Amazônia, principalmente na região ao sul do Rio Amazonas e a oeste do Rio Madeira. Encontrada também na Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. Varia de incomum a localmente comum no sub-bosque de florestas úmidas de terra firme, normalmente distante de rios. É uma espécie bastante tímida, encontrada aos pares ou em pequenos grupos, principalmente junto a formigas-de-correição (das quais é considerada "seguidora profissional"). Alimenta-se de aranhas e insetos afugentados pelas formigas. Apanha suas presas em rápidos pousos no chão, retornando em seguida ao poleiro. Frequentemente arrepia as penas do alto da cabeça em sinal de agressividade, apresentando também o hábito de elevar a cauda. Faz ninho sem forro a cerca de 0,5 m de altura, em ocos de árvores mortas. Põe 2 ovos rosados com pintas marrom-avermelhadas. O macho não apresenta os pontos pretos marginados de bege nas asas e nas partes superiores, comuns na fêmea.
Pássaro Choquinha Lisa (Dysithamnus mentalis)
Pássaro Choquinha-Lisa 
(Dysithamnus mentalis)

Pássaro Choquinha-Lisa (Dysithamnus mentalis)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Dysithamnus mentalis
Comprimento: 11,5 cm
Peso: 12,5 g.

Pássaro Choquinha-Lisa (Dysithamnus mentalis) está presente em 3 regiões separadas: 1) do leste do Pará até a Paraíba, acompanhado o litoral; 2) no sul do Piauí, Goiás e Mato Grosso; 3) da Bahia e Minas Gerais ao Rio Grande do Sul, incluindo todos os estados intermediários. Encontrada também do México ao Panamá, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia, Paraguai e Argentina. Habita o sub-bosque de florestas de montanhas, bordas de florestas, capoeiras e florestas de galeria. É comum, especialmente no Sudeste brasileiro. Vive geralmente aos pares, pulando vagarosamente em busca de pequenos insetos. Faz ninho em forma de xícara, em arbustos. Põe 2 ovos esbranquiçados, manchados de marrom-arroxeado. O macho possui a parte superior cinza-escuro e a inferior cinza-esbranquiçado, enquanto a fêmea possui o alto da cabeça de cor canela, a parte superior amarronzada e a inferior cinza-olivácea. Conhecida também como xorró-de-rabo-curto.
Pássaro Choquinha Estriada (Myrmotherula surinamensis)
Pássaro Choquinha Estriada  
(Myrmotherula surinamensis)

Pássaro Choquinha-Estriada (Myrmotherula surinamensis)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Myrmotherula surinamensis
Comprimento: 9,5 cm
Peso: 8 a 8,6 g.

Pássaro Choquinha Estriada (Myrmotherula surinamensis) está presente em toda a Amazônia brasileira e na Colômbia, Venezuela, Equador, Peru, Bolívia e Guianas. Habita bordas de florestas úmidas e florestas de galeria, clareiras com cipós e capoeiras. Vive geralmente aos pares, não muito acima do chão, em áreas semi-abertas. O macho apresenta a parte superior preta estriada de branco e a inferior branca estriada de preto, enquanto a fêmea apresenta o alto da cabeça laranja-ferrugíneo estriado de preto e a parte inferior amarronzada, finamente estriada de preto.
Pássaro Choquinha de Flanco Branco (Myrmotherula axillaris)
Pássaro Choquinha de Flanco Branco 
(Myrmotherula axillaris)

Pássaro Choquinha-de-Flanco-Branco (Myrmotherula axillaris)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Myrmotherula axillaris
Comprimento: 10,5 cm
Peso: 8 g.

O Pássaro Choquinha-de-Flanco-Branco  (Myrmotherula axillaris) está presente em toda a Amazônia brasileira e nos estados que acompanham a costa, do Pernambuco ao Rio de Janeiro. Encontrada também de Honduras ao Panamá, na Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia e Guianas. É comum no sub-bosque e no estrato médio de florestas úmidas e em capoeiras altas. Inspeciona ativamente a folhagem e os emaranhados de cipós em busca de pequenos insetos. Vive aos pares ou em pequenos grupos familiares, os quais acompanham regularmente bandos mistos de sub-bosque. Faz ninho em forma de xícara, preso a forquilhas entre 20 cm e 4 m de altura, sempre com grandes folhas pendentes sobre ele. Põe 2 ovos. O macho possui as costas, garganta e peito de coloração preta; a fêmea apresenta costas oliváceas ou acinzentadas, garganta esbranquiçada e restante da parte inferior de cor bege.
Pássaro Choquinha-de-Garganta-Clara (Myrmotherula hauxwelli)
Pássaro Choquinha-de-Garganta-Clara 
(Myrmotherula hauxwelli)

Pássaro Choquinha-de-Garganta-Clara (Myrmotherula hauxwelli)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Myrmotherula hauxwelli
Comprimento: 10 cm
Peso: 10 g.

Pássaro Choquinha-de-Garganta-Clara (Myrmotherula hauxwelli) está presente no Brasil apenas na Região Amazônica, ao sul do Rio Amazonas. Encontrada também na Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. Habita o sub-bosque de florestas de terra firme e de várzea, geralmente no interior das florestas e bem próximo ao solo. Vive aos pares ou em pequenos grupos, os quais podem tratar-se de famílias. Não é muito freqüente em bandos mistos de sub-bosque, embora isso possa ocorrer. Tem o hábito de permanecer agarrada em poleiros verticais, variando de altura, que vão desde próximo ao solo até 2 m, em busca de pequenos insetos na folhagem. Procura alimento também em emaranhados de arbustos ao longo de igarapés na várzea. Faz ninho à pouca altura do solo. O macho é cinza; a fêmea marrom.
Pássaro Choquinha de olho Branco (Myrmotherula leucophthalma)
Pássaro Choquinha de olho Branco 
(Myrmotherula leucophthalma)

Pássaro Choquinha-de-olho-Branco (Myrmotherula leucophthalma)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Myrmotherula leucophthalma
Comprimento: 11,5 cm.

Pássaro Choquinha de olho-Branco (Myrmotherula leucophthalma) está presente quase exclusivamente na Amazônia brasileira, ao sul do Rio Amazonas, podendo ser encontrada também em uma pequena área do sudeste do Peru e norte da Bolívia. É uma espécie incomum, que habita o sub-bosque de florestas úmidas de terra firme, muitas vezes em áreas com bambu. Vive aos pares ou, com menor freqüência, em pequenos grupos, acompanhando bandos mistos de sub-bosque. Alimenta-se nas proximidades do chão, procurando insetos em folhas mortas junto a emaranhados de cipós ou bambus. O macho é marrom-oliváceo, com a garganta pontilhada de preto e branco, lados da cabeça e peito cinza; a fêmea tem os lados da cabeça e parte inferior (incluindo a garganta) bege-oliváceo.
Pássaro Choquinha Ornada (Myrmotherula ornata)
Pássaro Choquinha-Ornada 
(Myrmotherula ornata)

Pássaro Choquinha-Ornada (Myrmotherula ornata)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Myrmotherula ornata
Comprimento: 11 cm.

Pássaro Choquinha-Ornada (Myrmotherula ornata) está presente na Amazônia brasileira ao sul do Rio Amazonas, do Rio Madeira para leste até o Rio Tocantins, no Pará. Encontrada também na Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. É localmente comum no sub-bosque de florestas úmidas de terra firme e de florestas de várzea. Vive aos pares, alimentando-se de pequenos insetos capturados em emaranhados de folhas mortas e cipós, entre 3 e 12 m de altura. Participa com frequência de bandos mistos de insetívoros. O macho é acinzentado com as costas ferrugíneas e a garganta preta; a fêmea é marrom-olivácea com as costas ferrugíneas e a garganta estriada de preto e branco.
Pássaro Choquinha de Asa Comprida (Myrmotherula longipennis)
Pássaro Choquinha-de-Asa-Comprida 
(Myrmotherula longipennis)

Pássaro Choquinha-de-Asa-Comprida (Myrmotherula longipennis)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Myrmotherula longipennis
Comprimento: 10 cm
Peso: 8,5 g.

Pássaro Choquinha de Asa Comprida (Myrmotherula longipennis) está presente na Amazônia brasileira, em direção leste até o Maranhão, e ainda nas Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. Varia de incomum a comum. Vive aos pares ou em pequenos grupos no sub-bosque de florestas úmidas de terra firme, alimentando-se de insetos (frequentemente como parte de bandos mistos de aves), os quais procura ativamente na folhagem à altura de 4 a 10 m. Os ninhos são em formato de xícara, localizados em forquilhas de 2 a 6 m de altura. O macho é cinza-escuro com a garganta e o peito pretos; a fêmea é marrom-olivácea na parte superior, com a garganta e o peito amarelados.
Pássaro Choquinha de Garganta Azul (Myrmotherula menetriesii)
Pássaro Choquinha-de-Garganta-Azul  
(Myrmotherula menetriesii)

Pássaro Choquinha-de-Garganta-Azul (Myrmotherula menetriesii)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Myrmotherula menetriesii
Comprimento: 10 cm
Peso: 9 g.

Pássaro Choquinha-de-Garganta-Azul (Myrmotherula menetriesii) está presente em toda a Amazônia brasileira, em direção leste até o Maranhão, e ainda nos demais países amazônicos - Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. É comum no estrato médio e na copa de florestas úmidas de terra firme. Vive aos pares. Participando de bandos mistos, tende a permanecer mais alto do que as demais espécies, buscando insetos ativamente na folhagem, em emaranhados de cipós. Faz ninho com folhas mortas, suspensos em forquilhas de média altura. O macho é de cor cinza; a fêmea é cinza-azulada na parte superior e marrom-ocráceo na inferior, com a garganta esbranquiçada.
Choca Listrada (Thamnophilus palliatus)
Choca-Listrada (Thamnophilus palliatus)

Pássaro Choca-Listrada (Thamnophilus palliatus)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Thamnophilus palliatus
Comprimento: 16 cm
Peso: 21 g.

Choca-Listrada (Thamnophilus palliatus) presente em duas regiões separadas: 1) na Amazônia, ao sul do Rio Amazonas, da fronteira com o Peru e Bolívia (países em que também está presente) ao Pará, Maranhão e Piauí; 2) na costa leste, da Paraíba ao Rio de Janeiro. Habita bordas de florestas úmidas e de montanhas, clareiras em regeneração, áreas com emaranhados de cipós, capoeiras arbustivas e quintais. Normalmente encontrada aos pares, pulando em meio à vegetação, em busca de insetos. Varia de incomum a bastante comum nas regiões onde está presente. O macho apresenta o alto da cabeça de cor preta e a fêmea de cor castanha. Conhecida também como xorró, choca, mbatará, espanta-raposa (Pernambuco e Paraíba) e choca-lineada.
Choca de Olho Vermelho (Thamnophilus schistaceus)
Choca-de-Olho-Vermelho (Thamnophilus schistaceus)

Pássaro Choca-de-Olho-Vermelho (Thamnophilus schistaceus)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Thamnophilus schistaceus
Comprimento: 14 cm.

Choca de-Olho-Vermelho (Thamnophilus schistaceus) está presente na Amazônia brasileira, ao sul do Rio Amazonas, desde as regiões fronteiriças até o leste do Estado do Pará, estendendo-se ao sul até o Mato Grosso. Encontrada também na Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. Vive aos pares, à altura de 1 a 5 m no sub-bosque de florestas de terra firme, capoeiras, bordas de florestas e florestas de várzea, examinando cuidadosamente os emaranhados de cipós e a galharia, em busca de pequenas aranhas e insetos. Difícil de ser observada, pois passa a maior parte do tempo escondida na vegetação. O ninho é em forma de xícara, localizado à pouca altura em arbustos. Põe 2 ovos de cor creme com pontos escuros. O macho apresenta plumagem uniformemente cinzenta, enquanto a fêmea é de coloração geral marrom-olivácea ou castanha na parte superior e bege na inferior. Conhecida também como xorró-de-cabeça-preta e choca-de-coroa-negra.
Choca Lisa (Thamnophilus aethiops)
Choca-Lisa (Thamnophilus aethiops)

Pássaro Choca-Lisa (Thamnophilus aethiops)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Thamnophilus aethiops
Comprimento: 16 cm; peso: 23 g.

Choca-Lisa (Thamnophilus aethiops) está presente em duas regiões separadas: Amazônia (a oeste do Rio Negro e ao sul do Rio Amazonas) e costa do Nordeste, nos estados de Pernambuco e Alagoas. Encontrada também na Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. Espécie incomum, não é muito abundante nas regiões onde ocorre. Vive aos pares, à altura de 1 a 5 m em florestas úmidas de terra firme, bordas de florestas ou em pequenas clareiras causadas por quedas de árvores, onde a vegetação é mais fechada. O macho tem coloração geral cinza-escura com o alto da cabeça preto; a fêmea é castanha com a parte inferior mais clara. Conhecida também como xorró.

Pássaro Choca-Bate-Cabo (Thamnophilus punctatus)
Choca-Bate-Cabo (Thamnophilus punctatus)

Pássaro Choca-Bate-Cabo (Thamnophilus punctatus)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Thamnophilus punctatus
Comprimento: 15 cm.

Choca-Bate-Cabo (Thamnophilus punctatus) está presente na Amazônia (do Rio Negro para o leste e em direção sul até o Mato Grosso), Nordeste, Centro-oeste e na maior parte do Sudeste. Encontrada também em áreas isoladas na Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Guianas e Bolívia. É comum no estrato inferior em bordas de florestas, capoeiras arbustivas, arbustos em campinas amazônicas e na caatinga. Vive aos pares, geralmente examinando a folhagem e emaranhados de cipós em busca de insetos, balançando a cauda para cima e para baixo com freqüência. Faz ninho de paredes finas em forma de xícara, agarrado a forquilhas, entre 1 e 4 m de altura. Põe 2 ovos brancos, pontilhados de marrom. O macho apresenta a cor cinza com boné preto; a fêmea é marrom com boné castanho-avermelhado. Conhecida também como batará, borralhara e xorró-cinzento.
Choca d'Água (Sakesphorus luctuosus)
Choca-d'Água (Sakesphorus luctuosus)

Pássaro Choca-d'Água (Sakesphorus luctuosus)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Sakesphorus luctuosus
Comprimento: 17 cm.

Choca-d'Água (Sakesphorus luctuosus) é encontrada exclusivamente no Brasil, na região que acompanha as margens do Rio Amazonas, do Amapá ao baixo Rio Negro, norte do Tocantins e Mato Grosso, sul do Pará e Amazonas (até Rio Purus) e nordeste de Rondônia. Comum em emaranhados de arbustos e cipós à beira de rios e ilhas fluviais, bem como no estrato inferior de várzeas periodicamente inundadas. Vive geralmente aos pares, pulando e deslocando-se lentamente em cipós e arbustos, ocasionalmente empoleirando-se no alto de árvores. Tem o hábito de movimentar lentamente a cauda para cima e para baixo. A plumagem difere somente na cor do topete: preto no macho e castanho na fêmea.
Papa-Formigas-Barrado (Cymbilaimus lineatus)
Papa-Formigas-Barrado (Cymbilaimus lineatus)

Papa-Formigas-Barrado (Cymbilaimus lineatus)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Cymbilaimus lineatus
Comprimento: 18 cm.

O Pássaro Papa-Formigas-Barrado (Cymbilaimus lineatus) está presente na Amazônia brasileira, ao sul até o Mato Grosso e a leste até o baixo Rio Tocantins. Encontrado também em Honduras, Panamá, Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. Habita capoeiras, bordas e clareiras com cipós nas florestas, beiradas de igarapés ou locais onde houve queda de árvores. Varia de incomum a comum em diferentes áreas. É visto normalmente aos pares, alimentando-se de insetos grandes na vegetação densa (especialmente emaranhados de cipós). Às vezes acompanha bandos mistos de sub-bosque, porém raramente segue formigas-de-correição. Os ninhos são em formato de xícara, feitos de material vegetal trançado. Põe 2 ovos branco-amarelados, pontilhados de marrom escuro e lilás. O macho tem coloração preta estriada de branco, apresentando ainda boné preto; a fêmea é marrom, com a parte superior do corpo estriada de bege e boné castanho. Conhecido também como choca-zebrada e papa-formigas-de-cabeça-preta.
Papa-Formigas-Pardo (Formicivora grisea)
Papa-Formigas-Pardo (Formicivora grisea)

Papa-Formigas-Pardo (Formicivora grisea)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Formicivora grisea
Comprimento: 12,5 cm.

O Pássaro Papa-Formigas-Pardo (Formicivora grisea) está presente em duas regiões separadas: 1) na Amazônia, tanto ao norte, no Estado do Amapá, quanto ao sul do Rio Amazonas, do Maranhão em direção oeste até o Rio Madeira e ao sul até Goiás e Mato Grosso; 2) no leste do País, do Rio Grande do Norte até o Rio de Janeiro. Encontrado também no Panamá, Colômbia, Venezuela, Guianas e Bolívia. É comum em capoeiras novas com densos emaranhados de cipós e arbustos, campos sujos e bordas de florestas. Vive aos pares, procurando insetos na folhagem da vegetação baixa. Às vezes torna-se difícil observá-lo, por encontrar-se em meio à vegetação densa. Faz ninho em forma de xícara, a partir de gramíneas trançadas, pendurando-o pela borda em forquilhas. Põe 2 ovos brancos pontilhados de lilás e manchados de marrom. A plumagem dos dois sexos difere quanto à cor da parte inferior: preta no macho e bege-amarronzada na fêmea. Conhecido também como formigueiro-pardo.
Papa-Formigas-Cantador (Hypocnemis cantator)
Papa-Formigas-Cantador (Hypocnemis cantator)

Papa-Formigas-Cantador (Hypocnemis cantator)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Hypocnemis cantator
Comprimento: 12 cm.
O Pássaro Papa-Formigas-Cantador (Hypocnemis cantator) está presente em quase toda a Amazônia brasileira, com exceção do leste do Pará e oeste do Maranhão. Encontrado também nos demais países amazônicos: Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. É comum em emaranhados de cipós nas clareiras ou nas bordas de florestas de terra firme e de várzea, bem como em capoeiras altas. Vive geralmente aos pares, às vezes sendo observado sozinho ou em pequenos bandos mistos. Alimenta-se de insetos na vegetação baixa ou em emaranhados de cipós mais altos, a até 8 m do chão. Ocasionalmente segue formigas-de-correição. O macho e a fêmea apresentam plumagens ligeiramente diferentes, sobretudo na cor do alto da cabeça: preto com estrias brancas (macho) e com estrias bege (fêmea). Conhecido também como cantador-comum.
Papa-Formigas-do-Igarapé (Sclateria naevia)
Papa-Formigas-do-Igarapé (Sclateria naevia)

Papa-Formigas-do-Igarapé (Sclateria naevia)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Sclateria naevia
Comprimento: 15 cm.

O Pássaro Papa-Formigas-do-Igarapé (Sclateria naevia) está presente em toda a Amazônia brasileira e nos demais países amazônicos: Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. É comum no estrato inferior de florestas alagadas e florestas de várzea, margens de lagos e igarapés. Vive aos pares, pulando na folhagem úmida sobre o chão ou na densa vegetação em margens lamacentas de lagos e igarapés, permanecendo próximo à água. Permite relativa aproximação do observador. Seus ovos são cinza-amarelados com muitos pontos e manchas marrom-averme-lhadas. O macho é cinza-escuro; a fêmea marrom. Conhecido também como formigueiro-do-igarapé.
Papa-Formigas-de-Grota (Myrmeciza loricata)
Papa-Formigas-de-Grota (Myrmeciza loricata)

Papa-Formigas-de-Grota (Myrmeciza loricata)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Myrmeciza loricata
Comprimento: 15,5 cm.

O Papa-Formigas-de-Grota (Myrmeciza loricata) é encontrado exclusivamente no Brasil, em pequena região que abrange o sul da Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro e áreas adjacentes de Minas Gerais e São Paulo. Pode variar de incomum a comum nas áreas onde ocorre. Habita florestas úmidas ou capoeiras maduras, podendo ser visto caminhando e pulando no chão ou próximo a este. A plumagem dos sexos difere principalmente quanto à cor da garganta: preta no macho e bege na fêmea. O macho apresenta ainda um colar preto, ausente na fêmea. Conhecido também como formigueiro-assobiador.
Papa-Formigas-de-Topete (Pithys albifrons)
Papa-Formigas-de-Topete (Pithys albifrons)

Papa-Formigas-de-Topete (Pithys albifrons)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Pithys albifrons
Comprimento: 12 cm.

O Pássaro Papa-Formigas-de-Topete (Pithys albifrons) está presente na Amazônia brasileira apenas ao norte do Rio Amazonas e também nas Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador e Peru. Comum no sub-bosque de florestas úmidas de terra firme, sendo menos freqüente em capoeiras altas. É extremamente especializado em alimentar-se dos insetos afugentados por formigas-de-correição, raramente permanecendo distante das mesmas. Vive em grupos de até uma dúzia ou mais. Em hábitats favoráveis normalmente é o representante mais numeroso da família junto às formigas-de-correição. Nestas ocasiões, empoleira-se a pouca altura em ramos verticais, freqüentemente indo até o chão para apanhar insetos afugentados, voltando rapidamente ao poleiro. Foram encontrados ninhos entre os espinhos de pequenas palmeiras, a cerca de 40 cm de altura. Põe 2 ovos branco-rosados manchados de marrom. Conhecido também como mãe-de-taoca-de-topete.
Papa-Formigas-de-Sobrancelha (Myrmoborus leucophrys)
Papa-Formigas-de-Sobrancelha (Myrmoborus leucophrys)

Papa-Formigas-de-Sobrancelha (Myrmoborus leucophrys)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Myrmoborus leucophrys
Comprimento: 13,5 cm.

O Pássaro Papa-Formigas-de-Sobrancelha (Myrmoborus leucophrys)  está presente em toda a Amazônia brasileirae ainda nas Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. É comum em emaranhados de cipós próximos ao chão, na borda de florestas alagáveis e em capoeiras arbustivas, porém não em grandes áreas de florestas contínuas. Vive geralmente aos pares, alimentando-se de insetos. Esporadicamente acompanha bandos mistos no sub-bosque e formigas-de-correição, quando estas encontram-se na borda da floresta. O macho é de cor cinza, com a garganta preta e uma listra branca na cabeça; a fêmea tem a parte superior marrom, a inferior branca, e uma listra bege na cabeça. Conhecido também como formigueiro-de-sobrancelha.
Chororó-Negro (Cercomacra nigrescens)
Chororó-Negro (Cercomacra nigrescens)

Chororó-Negro (Cercomacra nigrescens)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Cercomacra nigrescens
Comprimento: 16 cm.

O Chororó-Negro (Cercomacra nigrescens) é uma espécie encontrada principalmente na Amazônia brasileira, ao sul do Rio Amazonas, desde o Rio Tocantins (no Pará) em direção sul até Goiás e Mato Grosso e, em direção oeste, até a fronteira com a Colômbia, Peru e Bolívia - países em que também ocorre - além do Suriname e Guiana Francesa. É comum em emaranhados de cipós e arbustos nas bordas de florestas de várzea e florestas alagadas, bordas e clareiras com arbustos de florestas úmidas e capoeiras arbóreas. Vive aos pares, escondido em meio à densa vegetação mais baixa. Raramente segue bandos mistos ou formigas-de-correição. O macho apresenta coloração geral cinza-enegrecida e a fêmea é marrom-ferrugínea.
Chororó-Escuro (Cercomacra tyrannina)
Chororó-Escuro (Cercomacra tyrannina)

Chororó-Escuro (Cercomacra tyrannina)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Cercomacra tyrannina
Comprimento: 14,5 cm.

O Pássaro Chororó-Escuro (Cercomacra tyrannina) está presente em duas áreas separadas: 1) ao norte do Rio Amazonas, desde o Rio Negro até o Amapá, e ao sul do Amazonas, apenas no leste do Pará (a leste do Rio Tocantins) e Maranhão, 2) localmente no Nordeste, nos estados de Pernambuco e Alagoas. Encontrado também do México ao Panamá, Colômbia, Equador, Venezuela e Guianas. É comum no sub-bosque de bordas de florestas, capoeiras e clareiras com arbustos. Vive aos pares, escondido em meio à densa vegetação mais baixa, podendo ser ouvido com freqüência. Raramente segue bandos mistos ou formigas-de-correição. Seus ninhos são em forma de bolsa profunda, suspensos em galhos finos ou forquilhas no sub-bosque. Põe 2 ovos brancos pontilhados de marrom-avermelhado. O macho apresenta coloração geral cinza, enquanto a fêmea tem a parte superior marrom-olivácea e a inferior marrom-ferrugínea.
Choró-Boi (Taraba major)
Choró-Boi (Taraba major)

Choró-Boi (Taraba major)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Taraba major
Comprimento: 20 cm
Peso: 55 g.

O Pássaro Choró-Boi (Taraba major) está presente desde o extremo norte do País até o Estado do Paraná. Encontrado também do México ao Panamá e em praticamente toda a América do Sul, com exceção do Chile. É uma espécie comum, que habita a vegetação densa do estrato baixo de capoeiras, clareiras e bordas de florestas com vegetação arbustiva, tanto em regiões úmidas quanto secas. Vive geralmente aos pares, pulando em meio a emaranhados de cipós e arbustos a uma altura de 1 a 5 m, o que o torna difícil de ser observado. Raramente segue bandos mistos ou formigas-de-correição. O ninho é construído em formato de xícara e fica suspenso pela borda em emaranhados de arbustos baixos. Põe 2 ovos de cor creme, manchados de marrom e lilás. Embora ambos os sexos apresentem padrão geral bicolor, as cores destes padrões são diferentes, sendo o macho preto (parte superior) e branco (parte inferior) e a fêmea marrom e branca.
Chorozinho-de-Asa-Vermelha (Herpsilochmus rufimarginatus)
Chorozinho-de-Asa-Vermelha (Herpsilochmus rufimarginatus)

Chorozinho-de-Asa-Vermelha (Herpsilochmus rufimarginatus)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Herpsilochmus rufimarginatus
Comprimento: 11,5 cm
Peso: 10,5 g.

O Chorozinho-de-Asa-Vermelha (Herpsilochmus rufimarginatus) é uma espécie apresenta um padrão de distribuição bastante interessante, abrangendo diversas regiões isoladas e distantes entre si. No Brasil, está presente em quatro regiões separadas: 1) sudoeste da Amazônia (localmente em Rondônia e Mato Grosso); 2) oeste da Amazônia, no Rio Urucu, ao sul de Tefé (Amazonas); 3) leste da Amazônia, do baixo Rio Tapajós a leste até o norte do Maranhão; 4) na região da Mata Atlântica, do Pernambuco ao Paraná. Além do Brasil, distribui-se localmente pelo Panamá, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia, Paraguai e Argentina. Varia de incomum a localmente comum. Vive aos pares, principalmente acompanhando bandos mistos de aves, procurando insetos em emaranhados de cipós nas copas e nas bordas de florestas. A cor do alto da cabeça é diferente nos dois sexos: preto no macho e castanho-ferrugíneo na fêmea. Conhecido também como chorozinho-de-asa-ruiva.
Guarda-Várzea (Hylophylax punctulata)
Guarda-Várzea (Hylophylax punctulata)

Guarda-Várzea (Hylophylax punctulata)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Hylophylax punctulata
Comprimento: 11 cm.


O Pássaro Guarda-Várzea (Hylophylax punctulata)  está presente localmente na Amazônia brasileira, tanto ao norte do Rio Amazonas (na região dos rios Negro e Branco) quanto ao sul, do Acre ao Rio Xingu (Pará). Encontrado também em alguns locais da Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia e Guiana Francesa. É raro. Habita o sub-bosque de florestas de várzea, geralmente próximo a igarapés. Vive aos pares, buscando alimento de forma independente, sem participar de bandos mistos. O macho apresenta a garganta de cor preta, a qual é branca, com apenas uma estria lateral preta, na fêmea.
Guarda Floresta (Hylophylax naevia)
Guarda-Floresta (Hylophylax naevia)

Guarda-Floresta (Hylophylax naevia)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Hylophylax naevia
Comprimento: 11,5 cm.

O Pássaro Guarda-Floresta (Hylophylax naevia)  está presente em quase toda a Amazônia brasileira, exceto na região leste do Estado do Pará (a leste do Rio Tocantins) e no Estado do Maranhão. Encontrado também nas Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. É comum no sub-bosque de florestas úmidas de terra firme e menos freqüente na várzea. Vive geralmente aos pares, capturando insetos próximo ao chão, freqüentemente agarrado a ramos verticais. Não segue formigas-de-correição. As plumagens são diferentes nos dois sexos, principalmente na cor da garganta (preta no macho e branca na fêmea) e da parte inferior (branca no macho e bege na fêmea).
Rendadinho (Hylophylax poecilinota)
Rendadinho (Hylophylax poecilinota)

Rendadinho (Hylophylax poecilinota)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Hylophylax poecilinota
Comprimento: 13 cm
Peso: 17 g.

O Pássaro Rendadinho (Hylophylax poecilinota) está presente em toda a Amazônia, tanto no Brasil como nos demais países amazônicos (Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia). Varia de incomum a comum. Habita o sub-bosque de florestas úmidas de terra firme, sendo menos frequente na várzea. Vive geralmente aos pares, em poleiros verticais próximos ao chão, para onde vai rapidamente apenas com o objetivo de agarrar suas presas (pequenos insetos e aranhas). Apanha insetos também na folhagem próxima. Segue formigas-de-correição com frequência. O macho apresenta coloração geral cinza, enquanto a fêmea possui a cabeça e as partes superiores marrom-ferrugíneas, tornando-se mais clara nas partes inferiores.
Pinto-do-Mato-Carijó (Myrmornis torquata)
Pinto-do-Mato-Carijó (Myrmornis torquata)

Pinto-do-Mato-Carijó (Myrmornis torquata)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Myrmornis torquata
Comprimento: 16 cm
Peso: 42 g.

O Pinto-do-Mato-Carijó (Myrmornis torquata) é uma ave que está presente na Amazônia brasileira tanto ao norte do Rio Amazonas (do Rio Negro para leste até o Amapá) quanto ao sul, de Rondônia ao Maranhão, estando o limite sul da área de ocorrência da espécie no Estado de Mato Grosso. Encontrado também na Nicarágua, Panamá, Colômbia, Equador, Peru, Guianas e Venezuela. É uma espécie incomum. Habita o chão, ou suas proximidades, em florestas úmidas de terra firme. Vive aos pares, pulando (e não caminhando) no solo, revirando as folhas mortas em busca de insetos, aparentemente não sendo atraído por formigas-de-correição. A fêmea apresenta a garganta e a parte superior do peito de cor ferrugínea, as quais são pretas no macho. Conhecido também como winá (nome indígena - Mato Grosso) e formigueiro-ciscador.
Formigueiro-de-Cara-Preta (Myrmoborus myotherinus)
Formigueiro-de-Cara-Preta (Myrmoborus myotherinus)

Formigueiro-de-Cara-Preta (Myrmoborus myotherinus)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Myrmoborus myotherinus
Comprimento: 13 cm.

O Pássaro Formigueiro-de-Cara-Preta (Myrmoborus myotherinus) está presente em grande parte da Amazônia brasileira, exceto na região ao norte do Rio Amazonas compreendida entre o Rio Negro e o Estado do Amapá. Encontrado também na Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. Comum no sub-bosque de florestas densas de terra firme e capoeiras altas. Vive geralmente aos pares ou em pequenos grupos familiares. Busca insetos no chão ou próximo a este. O macho é cinza, com uma máscara e garganta pretas; a fêmea é marrom-olivácea na parte superior, com uma máscara negra, garganta branca e restante da parte inferior de cor canela.
Papa-Taoca (Pyriglena leuconota)
Papa-Taoca (Pyriglena leuconota)

Papa-Taoca (Pyriglena leuconota)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Pyriglena leuconota
Comprimento: 18 cm
Peso: 30 g.

O Pássaro Papa-Taoca (Pyriglena leuconota)  está presente em três áreas distintas da América do Sul: 1) no Nordeste brasileiro, nos estados de Pernambuco e Alagoas; 2) do oeste do Rio Tapajós até o norte do Maranhão; 3) do Mato Grosso do Sul e Mato Grosso até a Colômbia, passando ainda pelo Paraguai, Bolívia, Peru e Equador. É comum no sub-bosque de florestas e capoeiras, tanto no interior (menos freqüente) como nas bordas, e também em clareiras já com alguma vegetação. Vive aos pares ou em pequenos grupos, em emaranhados abaixo de 3 m de altura. Segue regularmente formigas-de-correição, capturando presas tanto no chão quanto na folhagem. O macho apresenta coloração geral preta; a fêmea é marrom, com a parte inferior mais clara. Conhecido também como olho-de-fogo-selado, mãe-da-taoca e piadeira.
Tovaquinha (Dichrozona cincta)
Tovaquinha (Dichrozona cincta)

Tovaquinha (Dichrozona cincta)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Dichrozona cincta
Comprimento: 10 cm.

O Pássao Tovaquinha (Dichrozona cincta)  está presente no Brasil apenas em uma área limitada da Amazônia, tanto ao norte do Rio Amazonas (somente no alto Rio Negro) quanto ao sul, do Acre até o baixo Rio Tapajós. Encontrada também na Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. É rara ou incomum. Habita florestas úmidas de terra firme, alimentando-se de pequenos insetos no chão ou próximo a este. Vive aos pares, possuindo o hábito de caminhar no solo e balançar a cauda. A fêmea apresenta a parte inferior amarelada, menos pontos pretos no peito e uma listra bege na parte superior, a qual é branca no macho. Conhecida também como formigueiro-cintado.
Ipecuá (Thamnomanes caesius)
Ipecuá (Thamnomanes caesius)

Ipecuá (Thamnomanes caesius)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Thamnomanes caesius
Comprimento: 14,5 cm
Peso: 15,5 g.

O Pássaro Ipecuá (Thamnomanes caesius) está presente em quase toda a Amazônia e da Paraíba e Alagoas até o Rio de Janeiro. Encontrado também nas Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador, Bolívia e Peru. Habita o estrato inferior e médio em florestas de terra firme e florestas de várzea. Vive geralmente aos pares ou em pequenos grupos familiares, em torno dos quais se formam bandos mistos de sub-bosque. Examina a folhagem e o espaço aéreo ao seu redor, em busca de insetos, partindo abruptamente para apanhá-los em vôo e retornando ao mesmo poleiro. Faz ninho em formato de xícara. Põe 2 ovos branco-rosados manchados de marrom-avermelhado. Segue formigas-de-correição ocasionalmente. O macho é de coloração cinza uniforme, enquanto a fêmea possui a parte superior marrom-olivácea e a inferior predominantemente cor de canela. Conhecido também como uirapuru-de-bando.
Papo-Branco (Biatas nigropectus)
Papo-Branco (Biatas nigropectus)

Papo-Branco (Biatas nigropectus)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Biatas nigropectus
Comprimento: 18 cm.

O Pássaro Papo-Branco (Biatas nigropectus)  é uma espécie de ave rara, presente apenas em parte do Brasil (no sul de Minas Gerais e Rio de Janeiro, leste de São Paulo, Paraná e nordeste de Santa Catarina) e em pequena área do nordeste da Argentina. Habita os sub-bosques de florestas úmidas e bordas de florestas, principalmente em áreas com altos bambuzais. É pouco conhecido e raramente visto. Os indivíduos dessa especie de pássaros observados normalmente encontram-se solitários ou aos pares, com frequência acompanhando de bandos mistos de aves. O macho tem cabeça e peito pretos; a fêmea apresenta a cabeça castanha e o peito marrom-oliváceo-claro. Conhecido também como choca-da-taquara.
Solta-Asa (Hypocnemoides maculicauda)

Solta-Asa (Hypocnemoides maculicauda)

Solta-Asa (Hypocnemoides maculicauda)

Família: Thamnophilidae
Espécie: Hypocnemoides maculicauda
Comprimento: 12 cm
Peso: 12,5 g.

O Solta-Asa (Hypocnemoides maculicauda) está presente na Amazônia brasileira ao sul do Rio Amazonas, a leste até o Maranhão e em direção sul até os estados de Mato Grosso do Sul e Goiás. Encontrado também no Peru e Bolívia. Varia de incomum a localmente comum. Vive próximo à água no estrato inferior de várzeas ou florestas inundadas, florestas de galeria e margens florestadas de lagos e igarapés. Observado geralmente aos pares, pulando no chão ou próximo deste, em emaranhados de vegetação, à procura de insetos. O macho apresenta a garganta preta e demais partes inferiores cinzentas, as quais são brancas na fêmea. Conhecido também como solta-asa-do-sul.

www.megatimes.com.br