Gato Chinês da Montanha (Felis bieti)

Tags

Gato Chinês da Montanha (Felis bieti)

Felis bieti

O gato-chinês-da-montanha, conhecido também como gato-chinês-do-deserto, é um pequeno felino selvagem da China ocidental. Este é o menos conhecido membro do genêro Felis, os gatos comuns. Um estudo de 2007 descobriu que é mais provável que seja uma subespécie do Felis silvestris, em caso afirmativo, seria chamado Felis silvestris bieti [*].

Aparência física
O gato-chinês-da-montanha é aproximadamente do tamanho de um gato doméstico. Exceto pela coloração de sua pele, este gato parece um gato-selvagem na aparência física. Sua cor geral é um marrom-amarelado, ou cor de areia, sendo o ventre esbranquiçado, e mais escuro na sua parte traseira. O pelo ao longo de todo o dorso segue um padrão estriado, que pode ser pouco contrastado. O pelo é espesso e denso. As almofadas de suas patas são cobertas de densos pelos protetores. De suas orelhas saem pequenos tufos de pelo com cerca de 2 cm. Eles têm canais auditivos grandes, sugerindo que a audição cumpre papel importante para a captura das suas presas. Sua cauda é anelada com três ou quatro faixas escuras, mais uma ponta preta.

Felis bieti
Felis bieti

Território e habitat
O gato-chinês-da-montanha habita as estepes e regiões de montanha do sudoeste da China e nordeste da Mongólia. Apesar do nome, este felino não habita regiões de deserto. Acredita-se que esta espécie se estendia num território do norte a leste, incluindo terreno mais desértico, mas muito provavelmente eles foram confundidos com os gatos-selvagens-asiáticos (Felis sylvestris ornata). Em 1992 seu nome foi oficialmente mudado de gato-chinês-do-deserto para gato-chinês-da-montanha.

Este felino está distribuído nas seguintes regiões da China: Tibete, Qinghai, Gansu e Sichuan. Eles habitam florestas de árvores esparsas e terrenos de arbustos, e raramente são encontrados em verdadeiros desertos. Podem viver em ambientes de até 3.000 metros de altitude.

Dieta
O gato-chinês-da-montanha se alimenta de pequenos animais, especialmente de um tipo de rato chamado pika, mas também preda coelhos e pássaros. Este felino está protegido na China, mas continua em risco devido ao envenenamento sistemático dos pikas, sua presa principal. Estes envenenamentos matam os felinos indiretamente, ou retiram sua base de alimento.

Gato Chinês da Montanha (Felis bieti)

Reprodução e comportamento social
Não é muito o que se conhece sobre este felino, uma vez que ele é pouco estudado. A maioria das informações vem dos espécimes em museus. O pouco que se sabe sobre seu comportamento selvagem vem dos estudos do zoológico de Xining, que coletou 34 gatos entre 1973-1985. Acredita-se que o  gato-chinês-da-montanha seja parente do gato-da-floresta (Felis chaus) e do gato-selvagem (Felis silvestris).

Sua reprodução ocorre entre Janeiro e Março, e os filhotes nascem em Maio. As ninhadas consistem de dois a quatro filhotes, e eles usualmente estão independentes pelos sétimo e oitavo meses. O gato-chinês-da-montanha é solitário, e vive em tocas com uma única entrada, sendo as das fêmeas mais profundas que as dos machos. Seus hábitos tendem a ser noturnos ou crepusculares.

Ameaças
As maiores ameaças são o envenenamento das iscas para pikas, e a caça por causa de sua pele. A degradação do habitat também é uma ameaça importante. Na China estão sob proteção do estado.

Subespécies
    Felis bieti bieti - província de Sichuan até Kansu
    Felis bieti chutuchta - sudeste da Mongólia
    Felis bieti vellerosa - norte da província de Shensi

Algumas autoridades consideram as subespécies chutchta e vellerosa do gato-selvagem subespécies do gato-chinês-da-montanha.

* Notas taxonômicas - referência: IUCN
Por muito tempo foi considerada uma espécie separada tendo um relacionamento próximo do gato-selvagem, Felis silvestris, com base na morfologia (Garcia- Perea 2000, Wozencraft 2005). Com base na análise genética, Driscoll et al. (2007) classificou-o como uma subespécie do gato-selvagem, F. silvestris bieti. O tempo estimado de divergência era recente (230.000 anos BP), e um estudo mais aprofundado é necessário antes que esta classificação possa ser definitivamente aceita.

www.megatimes.com.br