Mandioca (M. dulcis ou M. ahipi)

Mandioca (M. dulcis ou M. ahipi)

Mandioca (M. dulcis ou M. ahipi)

Arbusto herbáceo da família das euforbiáceas, a mesma da mamona, da seringueira e do bico-de-papagaio, a mandioca contém um látex branco e raízes tuberosas. É uma planta produtora de amido, com alto valor energético e, nas raízes, baixo teor de proteína. Suas folhas, porém, chegam a conter 18% de proteína e apresentam razoável teor de vitamina B1, fósforo e ferro.

Nativa do Nordeste e do Centro-Oeste do Brasil, a mandioca foi introduzida na África pelos portugueses e atualmente é cultivada também em diversos países da América do Sul e da Ásia. Componente essencial da alimentação dos indígenas brasileiros, deve seu nome ao tupi-guarani mandióg, que designa a raiz da planta, chamada mandii.

Apresenta-se sob duas espécies básicas do gênero Manihot. Uma delas é a mandioca-doce, aipim ou macaxeira (M. dulcis ou M. ahipi), usada na alimentação humana, cozida, frita ou assada. A outra espécie, mandioca-brava ou amarga (M. esculenta ou M. utilissima), em estado bruto contém ácido cianídrico em quantidade suficiente para torná-la venenosa. Mesmo assim, suas raízes são usadas para a extração de fécula (polvilho) e na alimentação de animais, pois perdem a toxicidade depois de submetidas a processos de aquecimento e lavagem.


Conformação e cultivo da planta
Com 1,5 a 3m de altura, a mandioca apresenta caule delgado e ramificado, com folhas de hastes longas, palmatilobadas e de coloração cambiante, do verde ao roxo-avermelhado. As flores, unissexuais, amarelas e miúdas, agrupam-se em pequenos cachos terminais. O fruto, semelhante ao da mamona, é uma cápsula ovóide, com três divisões que encerram, cada uma, uma semente marmorizada ou preta. A propagação se faz por via vegetativa, a partir de pedaços de rama de cerca de um palmo de comprimento. A brotação ocorre entre 15 e 30 dias.

Própria dos climas quentes e úmidos, a mandioca se adapta aos solos mais diversos, embora prefira os sílico-argilosos e de textura arenosa ou fofa, que facilitam a progressão das raízes. O plantio é feito na época de brotação que antecede a primavera -- mês de agosto na maior parte do Brasil.

Aplicações na culinária
A tapioca e o polvilho, subprodutos das raízes da planta, caíram em relativo desuso nos grandes centros urbanos, mas foram tão importantes na cozinha brasileira quanto a farinha de mandioca, que ainda tem largo consumo interno e constituiu a base do sustento da população, no período colonial. Com o açúcar e o coco, a mandioca e seus subprodutos originaram um receituário complexo, no qual a criatividade caseira se expressou por longo tempo nos trópicos. Cuscuz, beijus, mingaus e bolos diversos podem ser feitos de mandioca, assim como se fazem biscoitos, roscas e doces de polvilho.

Na Amazônia se preparam com a mandioca o tacacá e o tucupi, além da farinha d'água, base da alimentação popular. Na Bahia, os brotos novos da planta, num guisado de carne ou peixe, compõem um prato típico, a maniçoba. Muitas aplicações da mandioca na culinária derivam da inventividade dos índios, que dela extraíam o cauim, bebida fermentada. O álcool que as raízes fornecem está presente ainda hoje na tiquira, aguardente produzida no Maranhão e na Amazônia.

Mandioca (M. dulcis ou M. ahipi)
Mandioca (M. dulcis ou M. ahipi)
Mandioca (M. dulcis ou M. ahipi)
Mandioca (M. dulcis ou M. ahipi)
Mandioca (M. dulcis ou M. ahipi)
Mandioca (M. dulcis ou M. ahipi)
Mandioca (M. dulcis ou M. ahipi)
Mandioca (M. dulcis ou M. ahipi)
Mandioca (M. dulcis ou M. ahipi)
Mandioca (M. dulcis ou M. ahipi)
Mandioca (M. dulcis ou M. ahipi)

www.megatimes.com.br
www.geografiatotal.com.br