Tubarão Elefante ou Tubarão-Peregrino (Cetorhinus maximus)

Tubarão Elefante ou Tubarão-Peregrino (Cetorhinus maximus)

Tubarão Elefante
Nome comum: Tubarão Elefante ou Tubarão-Peregrino

Nome científico: Cetorhinus maximus
 Ordem: Lamniformes

Perdendo apenas para o tubarão baleia em tamanho, os Tubarões Elefante ou Tubarões Peregrinos  são criaturas enormes, cujas dimensões são ainda mais notáveis levando-se em conta sua dieta exclusiva de plâncton. Geralmente nadam com as bocas enormes escancaradas, filtrando partículas de alimento enquanto se movem.

Os tubarões peregrinos costumam ser avistados na superfície, perto da costa, e são a atração predileta dos ecoturistas, que encontram estes gigantes durante passeios curtos de barco. São bastante tolerantes à presença de seres humanos, o que os transformou em alvo fácil de baleeiros durante muitos anos.

Como muitas outras espécies de tubarão, os tubarões-peregrinos têm sofrido a intensa pressão da indústria da pesca. Eles são muito rentáveis para as frotas pesqueiras devido a seu enorme tamanho – um único animal pode render uma tonelada de carne e 400 litros de óleo, e seu fígado rico em vitaminas pode chegar a representar 20% do peso total do tubarão. Os tubarões-peregrinos agora são protegidos por lei em vários países.

Tubarão Elefante ou Tubarão-Peregrino
Tamanho máximo: 12 metros / 7.000kg

Distribuição: Águas temperadas e árticas em todo o mundo. Muito raros em regiões tropicais.

Dieta
: Plâncton, compostos tipicamente por larvas invertebradas, pequenos crustáceos e ovas de tubarão.

Reprodução: Não se sabe ao certo, mas acredita-se que sejam ovovivíparos, com longos períodos de gestação e poucos filhotes.

Características: corpo fusiforme e moderadamente robusto. Cabeça moderadamente larga, mas muito mais curta que o tronco. Fendas branquiais prolongadas circundando quase toda a cabeça. Focinho moderadamente largo, pontiagudo e cônico, boca enorme estendendo-se para trás da linha dos olhos, arqueada, situada ventralmente, com centenas de dentes minúsculos enganchados. Possui guelras bem brancas. Olhos pequenos. Primeira nadadeira dorsal grande, alta, ereta e angular. Segunda dorsal e anal moderadamente grandes mas menores que a metade da primera dorsal. Nadadeiras peitorais largas, muito mais curtas que a cabeça nos adultos. Nadadeiras pélvicas menores que a primera dorsal, porém maiores que a segunda. Nadadeira caudal em forma de meia lua, com lóbulo superior moderadamente grande e lóbulo inferior quase tão grane quanto o superior. Superfície dorsal com coloração cinzenta-marrom podendo variar para o cinza escuro a quase preto. Superfície ventral pode ser da mesma cor, ligeiramente mais pálida ou quase branca. Em tamanho, só perde para o tubarão baleia, podendo alcançar 12 m de comprimento e pesar 4 toneladas.

Habitat: regiões costeiras, estuarinas, baías e mar aberto.

Ocorrência: litoral sul do Brasil.

Hábitos: espécie costeira, pelágica, de superfície. Vive em pares ou grupos com mais de 100 indivíduos. Possui o hábito de expôr-se ao sol na superfície da água com a parte traseira e sua primeira nadadeira dorsal expostas inteiramente. Migratórios.

Tubarão Elefante ou Tubarão-Peregrino
Alimentação: zooplâncton. É a única espécie que captura o planto no fluxo passivo da água pela natação. Geralmente nada com sua grande boca aberta que permite um fluxo contínuo da água, filtrando o plâncton, sem usar o processo de sucção como em outras espécies filtrantes (tubarão baleia e mega-boca). Se alimentam ao longo das áreas que contêm densidades elevadas do zooplâncton grande (isto é, crustáceos pequenos, larvas invertebrate, ovos e larvas de peixes).

Reprodução: vivíparo. O período do gestação é de 3 anos ou mais, com geração de 1 cria.

Ameaças: poluição.

www.megatimes.com.br