Batata (Solanum tuberosum)

Batata (Solanum tuberosum)

Batata (Solanum tuberosum)
A Batata (Solanum tuberosum), conhecida também como batata-inglesa, é uma planta herbácea da família das solanáceas, a mesma do tabaco, do pimentão e do tomate. Sua altura máxima oscila em torno de um metro. As folhas são compostas, integradas por três ou quatro pares de folíolos, e as flores, reunidas em cachos, podem ser brancas, roxas ou lilases.

Nativa dos Andes e de ilhas chilenas, a batata já era cultivada no Peru, Bolívia e Equador antes de ser conhecida pelos conquistadores espanhóis. Introduzida na Europa no século XVI, tornou-se base da alimentação em muitos países, como a Irlanda, devido a sua resistência quando armazenada no inverno.

Os tubérculos comestíveis são formados por extensões subterrâneas do caule, mantendo-se ligados ao todo por cordões chamados estolhos. Na superfície dos tubérculos, que constituem uma reserva alimentar para a própria planta, notam-se as depressões ou olhos dos quais se originarão novos brotos. Tais tubérculos estão entre os mais importantes alimentos produtores de amido. Contêm 20,4% de carboidratos, 1,2% de proteínas, 0,1% de gorduras, 1,2% de cinzas e 75% de água, sendo ainda boas fontes de vitamina C. Parte expressiva da produção de tubérculos destina-se à extração de fécula, álcool e outros subprodutos, em instalações industriais.


A generalização do cultivo da batata no mundo deve-se sobretudo a seu alto rendimento e a sua capacidade de adaptação. A planta vegeta, sem maiores problemas, num amplo espectro de climas. A multiplicação é viável por meio das sementes (reprodução sexuada), embora se faça normalmente a partir dos tubérculos (reprodução vegetativa ou assexuada). A reprodução sexuada gera maior variabilidade e permite seleção e cruzamentos, tornando assim mais fácil a obtenção de novos cultivares. Mediante a polinização artificial das flores, conseguem-se combinações de caracteres às vezes surpreendentes, o que nunca acontece com a reprodução vegetativa.

Batata (Solanum tuberosum)Além de cultivares ou variedades de procedência estrangeira, como as batatas bintje, delta A e patrones, plantam-se no Brasil também variedades apuradas para as próprias condições que prevalecem nas regiões de cultivo. É o caso das variedades baronesa, santo amor e piratini, criadas no Rio Grande do Sul, e de variedades paulistas como a IAC-Araci, desenvolvida pelo Instituto Agronômico de Campinas.

Para o plantio da batata, que é feito no Brasil quase o ano todo, os solos arenosos devem ser evitados nos períodos muito chuvosos e quentes, pois provocam defeitos fisiológicos nos tubérculos e favorecem a podridão. Os solos sílico-argilosos e ácidos, com pH entre 5,5 e 6,5, são os mais indicados. Abaixo de 5,0, as adubações, com nitrogênio, fósforo e potássio, não costumam surtir efeito, enquanto acima de 6,5 tornam-se comuns a murcha e a sarna produzida pelo fungo Streptomyces scabies, dois dos graves problemas que as plantações enfrentam. Entre os maiores produtores mundiais de batata figuram os países da Comunidade de Estados Independentes, Polônia, China, Estados Unidos, Alemanha e Índia.

www.klimanaturali.org
www.megatimes.com.br